Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 26 Fevereiro |
Santo Alexandre
home iconEstilo de vida
line break icon

Mentira: a arte de iludir ou um mal necessário?

Raul Lieberwirth

Adenilton Turquete - Compartilhando a Graça - publicado em 10/11/14

Mas, afinal, por que agimos de forma insincera com tanta facilidade? Simples: porque funciona e podemos nos beneficiar com isso

Todos os seres humanos mentem, uns mais, outros menos, mas a mentira faz parte da sociedade. A mentira está presente em todo lugar. Pode ser uma mentira politicamente correta ou uma "mentirinha" para levar vantagem, fugir de um problema ou uma patologia obssessiva, a mitomania. Existem dois principais motivos que levam as pessoas a mentir: proteger-se de uma possível consequência negativa de nossas ações e preservar a autoimagem. Ou seja, quando sabemos que nossa posição poderá sofrer reprovações ou sanções, optamos por faltar com a verdade.

Temos uma tendência natural para mentir. Se uma pessoa quer dar o fim em um relacionamento, pode dizer simplesmente algo como “o problema não é com você, é comigo” e parecer educado e sensível, quando, na verdade, se quer dizer: “o problema é com você sim, mas não quero te magoar dizendo a verdade”. Mas, afinal, por que agimos de forma insincera com tanta facilidade? Simples: porque funciona e podemos nos beneficiar com isso.

Tanto os homens como os animais mentem, evidente que nestes não existem processos cognitivos, ao longo de nossa evolução sofisticamos a arte de mentir, mais do que isto, elevamos ela ao máximo; muito além do motivo de sobrevivência, tal como ocorre em outras espécies.

No entanto, a mentira também pode ser uma doença, como no caso das pessoas que padecem de mitomania, que inventam histórias sobre elas, ou até sobre as pessoas mais próximas. Esta doença é muito complicada, pois se torna muito difícil a sociedade conviver com essa pessoa, tem sempre a desconfiança de que ela não está a dizer e verdade, pois tem mais facilidade em mentir.

Como seria o mundo se ninguém pudesse mentir? Todos os políticos cumpririam suas promessas, ninguém manteria segredos e traição seria algo inexistente. Ao mesmo tempo, verdades inconvenientes, como o que as pessoas realmente pensam sobre seu peso ou seu cabelo, seriam ditas sem pestanejar. Normalmente vista como a vilã dos relacionamentos pessoais, a mentira existe porque nos ajuda a cumprir um propósito essencial: a convivência em sociedade.

Nesta postagem aqui falamos sobre o filme “O Primeiro Mentiroso”, de 2009, é por este caminho que segue o protagonista Mark Bllison (Ricky Gervais). Mark vive em um mundo onde ninguém sabe mentir. Um dia, depois de ter sido demitido e de ter tido um encontro frustrado com a garota dos sonhos, ele mente para o atendente do banco em relação à quantia que deveria ter ali. Pronto. A enganação seria a primeira de muitas, que envolveriam, inclusive, a habilidade de falar com “o homem lá em cima”, uma espécie de Deus. Mark seria a primeira pessoa a conseguir enganar o próximo. Apenas quando sente-se acuado é que ele descobre sua capacidade singular. 

Mark agiu por impulso e, embora não conhecesse o conceito de mentira, mentiu conscientemente. Segundo Smith, no entanto, boa parte das mentiras é proferida inconscientemente. “Algumas vezes, quando mentimos, não temos consciência que estamos fazendo isso. Em outras palavras, mentimos até para nós mesmos”.

Algumas pessoas defendem que seria impossivel viver em uma sociedade que só fala a verdade. A mentira e a enganação seriam então necessárias para o convívio social? Seria ético mentir para manter a harmonia social?

A dissimulação atravessa toda a história da humanidade, nutrindo a literatura desde o astuto Ulisses de Homero aos livros de maior sucesso popular de hoje. Uma ida ao cinema, e é grande a probabilidade de que o filme aborde alguma forma de ardil. Tais histórias talvez nos sejam muito fascinantes porque o mentir permeia a vida humana. 

Enganando a nós mesmos

  • 1
  • 2
Tags:
mentiraValores
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
2
Padre Paulo Ricardo
Nossos tempos são os últimos? A Irmã Lúcia responde
3
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
4
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
5
DOMINIKANIN, SZCZEPIONKA COVID
Jesús V. Picón
Padre desenvolve vacina contra Covid-19 para os pobres
6
SPANISH FLU
Philip Kosloski
Os poderosos conselhos do Padre Pio durante uma pandemia na Itáli...
7
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia