Aleteia

Por que se passa uma cestinha para coletar dinheiro durante a missa?

© Jim Pruitt/SHUTTERSTOCK
Compartilhar

Durante o ofertório, são coletadas doações para os pobres e para as necessidades da Igreja, como demonstração de partilha de bens

Há um momento da missa, quando se apresentam o pão e o vinho que não se tornar o Corpo e o Sangue de Cristo, no qual é costume passar entre os presentes uma cesta para coletar dinheiro.
 
Que sentido e origem tem esta coleta? É obrigatório dar dinheiro nesse momento? Isso não distrai da celebração ou inclusive pode induzir a achar que se está cobrando um preço por participar da missa?
 
O sentido da coleta econômica durante a missa é a partilha dos bens, segundo o Missal Romano.
 
“São oferecidos dons materiais para os pobres assistidos pela comunidade cristã ou para as necessidades da própria paróquia”, explica à Aleteia o especialista em liturgia Jaume González Padrós.
 
É obrigatório?
 
Com o gesto de passar a cesta no momento do ofertório, os cristãos são chamados a unir uma doação material à sua doação espiritual ao sacrifício da missa. Certamente, isso é feito em liberdade e segundo a própria consciência.
 
“O importante é a consciência de cada fiel – explica o especialista. Todo cristão deve ter consciência da sua obrigação de colaborar com a Igreja em seus fins e em seu sustento, é um mandamento da Igreja.”
 
Dar dinheiro durante a missa quando passam a cestinha “não é uma obrigação; cada um, em sua consciência, decide como pode colaborar”.
 
Neste sentido, esclarece: “Não é a mesma coisa uma pessoa desempregada que uma que ganha 10 mil reais por mês. Cada um precisa descobrir, em sua consciência, em que grau pode colaborar, ou se realmente não pode”.
 
Desde os primeiros cristãos
 
O costume de passar a cestinha remonta às origens da Igreja, ainda que a forma foi variando ao longo do tempo.
 
Os primeiros cristãos levavam à missa o pão e o ofereciam para que o sacerdote o consagrasse. De fato, ainda hoje, nas liturgias orientais, os fiéis levam o pão, e o que não for usado na Missa é dado aos pobres.
 
Mais adiante, no lugar do pão, as pessoas começaram a oferecer outros dons para os pobres e necessitados, ou inclusive para a Igreja.
 
Também na atualidade, são recolhidos produtos vários em determinados lugares ou momentos, por exemplo, em uma campanha de Natal. Neste caso, esses dons são colocados em um lugar apropriado, fora da mesa eucarística.
 
“Hoje, na sociedade ocidental, é mais cômodo fazer uma coleta de dinheiro para as necessidades da paróquia e para os pobres que levar a comida”, destaca o diretor do secretariado da Comissão Episcopal de Liturgia da conferência episcopal espanhola, Luis García Gutiérrez.
 
Além das habituais, também há coletas especiais, determinadas pelas conferências episcopais para um fim determinado da Igreja: caridade, evangelização, formação de seminaristas etc., sempre vinculado à ação evangelizadora, pastoral e caritativa da Igreja.
 
A coleta sempre foi realizada no mesmo momento da missa, quando se apresenta o pão e o vinho, porque está vinculada à apresentação dos dons para a Eucaristia.
 
Segundo Gutiérrez, uma vez passada a cestinha, não é correto deixa-la sobre o altar – onde só devem permanecer o pão e o vinho – nem tampouco leva-la à sacristia, mas sim depositá-la aos pés do altar como expressão do que cada um oferece de si mesmo.
Boletim
Receba Aleteia todo dia