Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconReligião
line break icon

A “visita de médico” do Papa à Europa política

© PATRICK HERTZOG / POOL / AFP

Pope Francis arrives to deliver a speech at the European Parliament, on November 25, 2014, during a short visit at the European Parliament and the Council of Europe in Strasbourg, eastern France. Pope Francis began a lightning visit to European institutions in Strasbourg where he was expected to call for a "tired" Europe hit by economic crises and surging nationalism to reclaim a leadership role. AFP PHOTO / POOL / PATRICK HERTZOG

Ricardo Perna - Família Cristã - publicado em 27/11/14

Francisco diagnosticou as doenças da «envelhecida» Europa e, mais importante que isso, prescreveu tratamentos para os males que a afetam nos dias de hoje

O Papa Francisco esteve esta terça-feira em Estrasburgo para uma visita de médico ao Parlamento Europeu e ao Conselho da Europa. Não foi uma visita de médico apenas porque foi rápida (uma manhã chegou para visitar os dois sítios), foi uma visita de médico pois Francisco diagnosticou as doenças da «envelhecida» Europa e, mais importante que isso, prescreveu tratamentos para os males que a afetam nos dias de hoje.

Foram dois discursos longos, proferidos 26 anos depois de João Paulo II ter estado lá a falar sobre blocos e tensões relacionadas com o Muro de Berlim e o comunismo. Dois discursos onde Francisco falou de «paz», «rejuvenescimento», «intergeracionalidade», «multiculturalismo» e «transversalidade», e onde recordou o papel do Cristianismo na construção da Europa e reforçou a disponibilidade da Igreja para a preparação de um futuro vigoroso, que devolva à Europa «aquela juventude de espírito que a tornou fecunda e grande».

Muito aplaudido em ambos os locais, o Papa pôs o dedo na ferida e falou dos tempos difíceis, onde um sistema capitalista engole o ser humano e não dignifica o valor da pessoa, antes valoriza a ganância, a ambição e o lucro. Denunciou os conflitos internos que massacram a religião e a liberdade religiosa que supostamente existe nos países europeus, criticando o «direito individualista» que muitos pedem, desviados que estão da noção de bem comum, que valoriza a singularidade do indivíduo, mas não lhe permite colocar em causa o funcionamento da sociedade.

O Papa fez um retrato correto da Europa, sem papas na língua. Falou de um continente que já foi uma referência e que hoje se perde, envelhecido e sem vigor, enquanto novas potências económicas emergem de outros pontos do globo, ditando regras duras, que atentam contra a liberdade do indivíduo, liberdade essa que foi conquistada nos tempos em que a Europa podia pensar o futuro do mundo. Pediu que se implementassem medidas que dignificassem o trabalho e que dessem estabilidade a quem quer criar uma família, sem perderem competitividade. Exigiu que se acabasse de fazer do Mar Mediterrâneo um «cemitério» e que se acolhessem os imigrantes com uma proposta clara do que é a identidade europeia e legislação «capaz de tutelar os direitos dos cidadãos europeus e, ao mesmo tempo, garantir o acolhimento dos imigrantes». Como tem demonstrado em muitas outras áreas, Francisco quer um compromisso também na área da imigração: que todos sejam acolhidos, mas que haja regras claras às quais terão de obedecer, se quiserem ficar.

No final de tudo, ficou a certeza: Francisco desceu da sua cadeira de líder espiritual, vestiu o fato de chefe de Estado e foi à casa da democracia ensinar aos deputados europeus o que precisam de fazer para dar a volta à situação da Europa e recolocar o velho continente no mapa das novas tendências. Se a vontade de fazer o que Francisco sugeriu for tão grande quantos os aplausos que lhe dirigiram, ainda há esperança para a Europa…

Tags:
EuropaPapa FranciscoPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia