Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 18 Abril |
São Galdino
home iconAtualidade
line break icon

Mexicanos se despedem de Chaves no Estádio Azteca

<p>Fãs chegam para a cerimônia de despedida de Roberto Bolaños no Estádio Azteca da Cidade do México</p>

AFP - publicado em 01/12/14

Muitos fantasiados como as famosas personagens criadas por Roberto Gómez Bolaños, o "Chaves", uma multidão de mexicanos aguardou por horas em uma longa fila para poder participar das homenagens que o comediante falecido recebeu este domingo no Estádio Azteca.

"Era como um irmão, como um tio, como um pai. Por isso viemos aqui para nos despedir dele", declarou Esteban Chávez, um dos muitos fãs de Bolaños que não escondia sua tristeza.

O caixão com os restos de Bolanos foi levado para o estádio, que pertence à rede Televisa, para onde o comediante trabalhou boa parte de sua carreira.

No estádio do América, o time de coração de Bolaños, foi colocada uma grande cruz de madeira entre duas enormes fotos do comediante.

A cerimônia religiosa foi transmitida ao vivo pela tv mexicana, assim como para outros países onde o programa criado por Bolaños conquistou legiões de fãs.

Pombas brancas foram soltas e o caixão deu uma última volta pelo estádio, ao fim da cerimônia religiosa realizada na presença de familiares, amigos, políticos e artistas.

O corpo de Bolaños foi velado no sábado nos estúdios da Televisa, e estiveram presentes, além de sua esposa, a atriz Florinda Meza – a dona Florinda – e seus seis filhos, atores como Edgar Vivar (Seu Barriga) e Carlos Villagrán (Kiko), que, apesar de ter mantido uma delicada disputa judicial com o comediante falecido, não deixou de reconhecer sua genialidade.

"Se foi um gênio, um mestre (…) Devo a ele tudo que sei e serei eternamente agradecido", declarou Villagrán que, junto com María Antonieta de las Nievas (Chiquinha) disputaram com Bolaños os direitos autorais de suas personagens.

No sábado, Bolaños também recebeu um minuto de aplausos no Estádio Azteca por parte dos torcedores que foram ver a partida entre o América e o Pumas.

No trajeto do caixão entre sua residência em Cancún e a Televisa, também foi ovacionado pelas pessoas nas ruas.

O legendário comediante morreu na sexta-feira, aos 85 anos, de causas ainda não divulgadas.

Em suas últimas aparições públicas, Bolaños sempre se deslocava com o auxílio de uma cadeira de rodas.

Ele fez rir gerações de crianças latino-americanas, com personagens inesquecíveis como ‘Chapolin Colorado’ e ‘Chaves’, que usava do humor para revelar os profundos temores que o assombravam desde criança.

Por causa de sua prolífica escrita, que rendeu roteiros para rádio, televisão, cinema, teatro e inclusive vários livros, Bolaños foi apelidado por um colega de ‘Chespirito’, um pseudônimo que aliava a comparação com o talento do dramaturgo Shakespeare e um diminutivo que refletia a sua baixa estatura.

O comediante nasceu em 21 de fevereiro de 1929 em uma família de classe média da Cidade do México. Seu pai, um boêmio amantes das artes, trabalhou como desenhista e ilustrador para importantes jornais, mas a vida desregrada provocou sua morte precoce, quando o pequeno Roberto tinha apenas seis anos.

Quando adolescente, Bolaños sonhava ser jogador de futebol e se destacou em torneios escolares de boxe, que disputava escondido da mãe. Aos 22 anos, começou a estudar engenharia mas se aventurou a escrever anúncios em uma agência de publicidade e logo estreou como roteirista em programas de rádio, televisão e cinema que ganharam fama.

Mais tarde, aproveitou a ausência de algum ator nas gravações para fazer graça diante das câmeras, dando os primeiros passos para o comediante que interpretaria personagens nascidos em sua própria imaginação.

Aos 40 anos, Bolaños estreou na televisão mexicana com o programa "Chespirito" que, com interpretações diversas, ficou no ar por 25 anos ininterruptos em horário nobre e foi exportado para inúmeros países.

Mas seu personagem mais celebrado foi ‘Chaves’, um menino órfão e pobre que vivia dentro de um barril, em uma vila suburbana, e repetia a frase "foi sem querer, querendo" para se desculpar de suas travessuras.

Ajg-gbv/are

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
4
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
7
Reportagem local
Hoje celebramos Santa Bernadette, a menina que viu Nossa Senhora ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia