Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 01 Março |
São Félix III (II)
home iconReligião
line break icon

O que Francisco faria se renunciasse ao papado como Bento XVI?

AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

ITALY, Rome : Pope Francis waves as he arrive at Santa Sabina church in Rome on March 5, 2014, to lead the mass for Ash Wednesday, opening Lent, the forty-day period of abstinence and deprivation for the Christians, before the Holy Week and Easter. AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

John Burger - publicado em 03/12/14

Entrevistado por um jornalista israelense, Francisco fala com franqueza de assuntos pessoais e de questões complexas da Igreja

Na primeira (e longa) entrevista que o papa Francisco concedeu a um meio de comunicação de Israel, ele abriu um pouco mais da sua vida pessoal, das suas frustrações e esperanças e da sua visão sobre o sacerdócio e o papado.

A entrevista foi realizada em partes, que, juntas, totalizaram 10 horas de conversa entre o papa e Henrique Cymerman, da Israel News. O jornalista ainda fez vários telefonemas ao papa: um deles logo após o ataque contra uma sinagoga de Jerusalém, no qual cinco pessoas foram mortas.

"Eu condeno com veemência qualquer tipo de violência em nome de Deus", disse Francisco ao jornalista. "Estou acompanhando a escalada preocupante da violência em Jerusalém e em outras comunidades da Terra Santa e rezo pelas vítimas e por todos os que sofrem com essa violência inaceitável, que não poupa nem os locais de culto. Do fundo do meu coração, eu exorto todas as partes envolvidas a renunciarem ao ódio e à violência e a trabalharem pela reconciliação e pela paz. É difícil construir a paz; mas viver sem paz é um pesadelo absoluto".

Refletindo sobre a sua visita deste ano à Terra Santa, viagem que, segundo ele, abriu os seus olhos para muitas coisas, Francisco revelou que estar na terra da Encarnação foi um momento de profundo impacto espiritual. “Quando eu experimento emoções fortes”, disse ele, “eu fico introvertido; e isso vai se intensificando aos poucos até ficar evidente para quem vê de fora”.

Cymerman perguntou ao papa sobre a possibilidade de abertura dos arquivos do Vaticano a fim de se lançar mais luz sobre o papel desempenhado pela Igreja durante a Segunda Guerra Mundial e, especialmente, sobre a postura adotada pelo papa Pio XII. Francisco defendeu com força o seu antecessor, lembrando ao entrevistador que, antes da obra “O Deputado”, de Rolf Hochhuth, em 1963, Pio XII era quase universalmente aclamado pela ajuda que tinha prestado aos judeus perseguidos pelos nazistas alemães.

“Durante o Holocausto, Pio XII abrigou muitos judeus em mosteiros da Itália. Na cama do próprio papa em Castel Gandolfo, nasceram 42 bebês, filhos de casais estavam lá escondidos dos nazistas. Estas coisas as pessoas não sabem”, disse Francisco. “Eu não estou dizendo que ele não tenha cometido erros. Mas quando você interpreta a história, tem que interpretá-la a partir do modo de pensar da época em questão. Eu não posso julgar eventos históricos só da perspectiva moderna. Não funciona. Nunca vou chegar à verdade assim”.

O papa também destacou que há mais perseguição contra os cristãos hoje do que nos primeiros tempos da Igreja. Ele reconheceu os riscos que existem para a sua própria pessoa, particularmente com a ameaça do grupo terrorista Estado Islâmico, mas manifestou uma postura de aceitação da mortalidade: "Na minha idade, eu não tenho muito a perder".

Mais importante, para ele, é poder estar perto de pessoas como um sacerdote do tipo “pastor das ovelhas”. Na Jornada Mundial da Juventude no Rio, por exemplo, ele insistiu em deixar de lado o papamóvel blindado. "Eu disse a eles [à equipe responsável pela organização e pela segurança] que não ia abençoar os fiéis e dizer que os amo de dentro de uma lata de sardinhas, mesmo que ela fosse de vidro", declarou o papa. "Afinal, até onde eu entendo, aquilo é uma parede".

Francisco afirmou ainda que, na volta da viagem pastoral à Coreia do Sul, realizada este ano, ele queria fazer uma parada no Iraque, onde o grupo Estado Islâmico obrigou milhares de cristãos e membros de outras minorias étnicas e religiosas a abandonar as próprias casas. Mas sua equipe de segurança “não me deixou”, relata.

  • 1
  • 2
Tags:
Bento XVIPapa Franciscorenuncia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
3
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
6
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
7
PRAY YOUNG
Arquidiocese de São Paulo
Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia