Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 22 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconReligião
line break icon

A história da árvore de Natal: dos druidas à rainha Vitória

Travis-CC

Patrice Fagnant-MacArthur - publicado em 05/12/14

Apesar das raízes pagãs, o símbolo natalino tem uma longa história cristã

Eu tenho em casa uma árvore de Natal um tanto… eclética.

Dos seus ramos, pende uma variedade de enfeites que vão desde alguns que o meu marido fez quando era criança até outros que eu mesma fiz nos primeiros anos de casada, além de mais alguns que os nossos filhos foram acrescentando ao longo dos anos. E ainda há enfeites que ganhamos de presente e outros que compramos para comemorar ocasiões especiais. No meio de tudo isso, as luzes coloridas! Com o presépio embaixo e o anjo no topo, a cena está completa. Em muitos aspectos, esta árvore conta a história da nossa vida juntos. Ele jamais apareceria numa revista de decoração, é claro, mas eu aprendi a gostar muito da sua singularidade.

Ao refletir sobre o nosso símbolo familiar de Natal, eu me lembro, às vezes, de como surgiu a tradição das árvores de Natal dentro do cristianismo. Muito tempo atrás, alguns povos acreditavam que os ramos verdes afastavam os maus espíritos. Outros povos consideravam que o sol era um deus e achavam que o inverno acontecia porque o deus-sol ficava doente. Eles comemoravam o solstício de inverno porque, com os dias recomeçando a ficar mais longos, significava que o deus-sol estava melhorando. Os ramos verdes, assim, serviam como lembrete de que a primavera voltaria.

Segundo a tradição, São Bonifácio foi o primeiro a adaptar essas tradições ao cristianismo, no século VIII. Ele tentava converter os druidas, que adoravam árvores de carvalho como símbolos da divindade. Em vez do carvalho, ele começou a chamar a atenção para o abeto, cuja forma triangular ajudava a descrever a Santíssima Trindade e cujos ramos verdes apontam para o céu.

Credita-se a Martinho Lutero a popularidade da árvore de Natal na Alemanha. Numa noite de inverno, enquanto passeava e preparava um sermão, ele se impressionou a tal ponto com a beleza das estrelas que, ao voltar para casa, procurou recriar aquela beleza para a sua família, colocando pequenas velas nos ramos de uma árvore que tinha em casa.

As árvores de Natal foram adotadas tardiamente na América do Norte. Os puritanos torciam o nariz para “todas essas tradições pagãs”. Em 1659, a Corte Geral de Massachusetts chegou a determinar que qualquer forma de celebração natalina que não fosse o culto na igreja seria legalmente punida. Foi só com a chegada dos imigrantes alemães e irlandeses, no século XIX, que essa influência puritana começou a perder força. Em 1846, foi publicada no London News uma foto da rainha Vitória e do príncipe Alberto, que era alemão, com seus filhos em torno de uma árvore de Natal. A popularidade das árvores de Natal cresceu imediatamente, tanto na Inglaterra quanto na América do Norte. Em 1920, o costume já tinha se espalhado praticamente pelo mundo inteiro.

Embora a tradição da árvore de Natal possa ter começado em contextos alheios ao cristianismo, hoje nós podemos afirmar com segurança que ela se tornou um símbolo cristão. O símbolo da árvore tem raízes profundas na nossa fé. Os nossos primeiros pais foram orientados por Deus a não comer os frutos de uma das árvores do Éden. Cristo pagou o preço altíssimo da nossa redenção sendo crucificado num tronco de árvore. Os ramos verdes e as luzes que os decoram nos recordam que Cristo é a luz do mundo e que a Sua luz é eterna. Ele trouxe alegria e luz a um mundo envolto em escuridão. Há muitas reflexões cristãs que podemos fazer inspirados pelos símbolos que a nossa fé adotou.

Sugiro, inclusive, uma prece que pode ser feita em família junto à árvore de Natal:

Senhor,
Que a presença desta árvore nos recorde o vosso presente da vida eterna!
Que a sua luz nos mantenha atentos à Luz que trouxestes ao mundo!
Que a alegria e a paz do Natal encham os nossos corações!
Nós vos pedimos por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Tags:
HistóriaNatal
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
7
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia