Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco: Maria nos ensina as consequências do amor

Waiting-for-the-Word-CC
Compartilhar

“Aprendamos de Maria, que teve constantemente o olhar fixo no Filho e a sua face tornou-se o rosto que mais se assemelha a Cristo”

Na Solenidade da Imaculada Conceição da Virgem Maria, celebrada neste 8 de dezembro, o Papa Francisco rezou a Oração mariana do Angelus com os fiéis na Praça de São Pedro.

Em sua breve reflexão, o Papa afirmou que “a atitude de Maria de Nazaré nos mostra que ‘o ser’ vem antes do ‘fazer’, e que é necessário deixar-se fazer por Deus para ser verdadeiramente como Ele nos quer".

"Maria é receptiva, mas não passiva. Como, a nível físico, recebe o poder do Espírito Santo, mas depois doa carne e sangue ao Filho de Deus que se forma nela, assim, no plano espiritual, acolhe a graça e corresponde a ela com a fé”.

Citando Santo Agostinho, o Papa recordou que a Virgem “concebeu antes no coração do que no ventre” e que “este mistério da acolhida da graça, que em Maria, por um privilégio único, era sem o obstáculo do pecado, é uma possibilidade para todos”.

Francisco observou, que tanto Maria como nós, fomos abençoados e escolhidos desde a criação do mundo, com uma diferença, “Maria foi preservada, enquanto nós fomos salvos graças ao Batismo e à fé”.

O Papa afirmou que “a salvação é gratuita” e “devemos dar o que recebemos”. Maria “vai partilhar o dom da fecundidade com a parente Isabel”; “a gratuidade é a consequência que se impõe diante do amor, da misericórdia, da graça divina derramada em nossos corações”.

“Porque, se tudo nos foi dado, tudo deve ser dado novamente. De que modo? Deixando que o Espírito Santo faça de nós um dom para os outros; o Espírito é dom para nós, e nós, com a força do Espírito devemos ser dom para os outros, nos tornar instrumentos de acolhida, de reconciliação e de perdão. Se a nossa existência se deixa transformar pela graça do Senhor, não poderemos reter para nós a luz que vem da sua face, mas a deixaremos passar, para que ilumine os outros”.

“Aprendamos de Maria, que teve constantemente o olhar fixo no Filho e a sua face tornou-se o rosto que mais se assemelha a Cristo”, disse o Papa Francisco.

(Com Rádio Vaticano)

Aleteia Top 10
  1. Lidos