Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 16 Abril |
Santa Maria Bernarda (Bernadete) Soubirous
home iconAtualidade
line break icon

Relatório afirma que torturas foram mais brutais do que a CIA admitiu

<p>Membros da Al-Qaeda e do Talibã capturados no Afeganistão após 2001 foram transferidos para a base americana de Guantánamo, em Cuba</p>

AFP - publicado em 09/12/14

As torturas e os métodos de interrogatório utilizados pela CIA contra suspeitos de terrorismo foram muito mais brutais do que se admitiu até agora e não apresentaram resultados, afirma um relatório do Senado americano divulgado nesta terça-feira.

Na introdução do documento, a senadora Dianne Feinstein, líder do Comitê de Inteligência, não deixou dúvidas sobre o resultado das investigações: "É a minha conclusão pessoal que, em qualquer acepção do termo, os presos da CIA foram torturados".

O documento de 525 páginas, que inclui parágrafos inteiro cobertos por tinta preta para proteger informações confidenciais, é um resumo da versão de 6.000 páginas mantida em sigilo e diz que a CIA impediu o Congresso e a Casa Branca a terem acesso às informações sobre o ocorrido e mentiu às autoridades.

O texto toma muito cuidado no uso da palavra "tortura", preferindo o eufemismo "técnicas reforçadas de interrogatório", que tinha sido adotado no governo do presidente George W. Bush.

O documento contém duras revelações sobre o programa secreto implementado pelo governo do presidente George W. Bush (2001-2009) para interrogar pessoas consideradas suspeitas de vínculos com a rede Al-Qaeda depois dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Os suspeitos foram submetidos a técnicas que incluíam afogamento simulado, detenção por longos períodos em posições incômodas, proibição de dormir, entre outros métodos aplicados em centros clandestinos mantidos pela CIA e na prisão da base militar de Guantánamo, em Cuba.

– Métodos eram brutais –

O documento, apresentado publicamente nesta terça-feira, afirma categoricamente que os métodos brutais de interrogatórios aplicados pela CIA "não foram uma maneira eficiente de obter informações precisas ou a cooperação dos detentos", e destaca que, apesar disso, a CIA sempre insistiu na eficácia do sistema.

A avaliação do Senado também denuncia que a agência de inteligência americana "não realizou uma contagem profunda e precisa do número de pessoas que prendeu e do número de detentos que não reuniam o mínimo de condições de serem detidos".

De acordo com o comitê investigador, a CIA "não estava preparada quando começou a operar seu Programa de Detenção e Interrogatório, mais de seis meses depois de ter recebido autorização para manter presos".

Além disso, os programas de "métodos melhorados de interrogatório" foram desenhados por dois psicológicos contratados. "No ano de 2005, a CIA dependia pesadamente de operações terceirizadas ligadas ao programa", diz o documento.

– A salvo de qualquer supervisão –

O texto também acusa a CIA de ter apresentado "informação incorreta" entre 2002 e 2007 ao Departamento de Justiça sobre o alcance e os efeitos da tortura, assim como impedir que o Congresso consiga supervisionar a aplicação deste método de interrogatório.

Desta forma, "a CIA impediu a supervisão pela Casa Branca e a tomada de decisões", prosseguiu o informe.

A própria administração do programa de interrogatórios por parte da CIA "complicou e, em alguns pontos, impediu" a ação de outros departamentos do Poder Executivo.

Um parágrafo do informe também destaca que "a CIA coordenou o vazamento de informação secreta para a imprensa, inclusive informação incorreta sobre a eficácia" dos interrogatórios sob tortura.

Pouco depois de divulgado o documento, o presidente Barack Obama publicou uma nota na qual afirmou que a tortura era "contrária aos nossos valores".

O governo que precisou planejar uma resposta aos ataques de 11 de setembro de 2001 enfrentou "escolhas difíceis", disse Obama.

"Como já disse antes, nossa nação fez muitas coisas bem nestes anos difíceis. Mas ao mesmo tempo, algumas ações tomadas eram contrárias aos nossos valores", afirmou.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
5
São José e a Sagrada Família
Reportagem local
Oração a São José para nos guiar “no caminho da vida”
6
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
7
CHORA KOBIETA
Reportagem local
9 armas espirituais para utilizarmos na pandemia
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia