Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 26 Julho |
Santo Austindo
home iconAtualidade
line break icon

Como encarar o consumismo neste Natal?

Fred-Seibert-CC

Rachel Lu - publicado em 17/12/14

Não precisamos criticar o tempo todo: enfeites e presentes também evocam a alegria que Jesus nos traz

O Natal está chegando. As casas estão enfeitadas e as luzes estão piscando nas fachadas e vitrines. Os lembretes de que o dia se aproxima preenchem as lojas. O Natal está por todo lado. Ou, pelo menos, parece estar…

Há quem goste desse “clima”, há que não goste. Muita gente acha forçada essa “alegria”, especialmente porque ela parece mais focada em comida e brinquedos do que em Jesus Cristo. As queixas contra a mercantilização do Natal são quase tão onipresentes quanto as próprias decorações.

É compreensível que as pessoas de fé se irritem ao verem o comércio se apropriando de uma grande festa cristã. Mas não precisamos deixar que esta constatação arruíne o nosso Natal.
Aqui vão algumas ideias para levarmos em conta no meio deste cenário.

1. Vamos reconhecer o problema real!

As queixas sobre a mercantilização do Natal, a meu ver, são muitas vezes exageradas, embora exista, é claro, uma preocupação legítima. Esta é uma época de dar e receber presentes; e o mundo do comércio fica bastante feliz em vender produtos e serviços que podem ser presenteados. Por todos os lados, somos bombardeados de propagandas que tentam nos convencer a comprar as coisas novas e caras de que “precisamos” para que este Natal seja memorável.

Quase todos nós somos ao menos um pouco vulneráveis a essas sugestões, talvez até mais do que gostaríamos de admitir. Queremos que o Natal seja especial. Por isso, acabamos nos enredando em detalhes triviais. Neste contexto, quando abrimos o Novo Testamento às vésperas do Natal, percebemos que, assim como no ano anterior, não deixamos muito espaço para o verdadeiro homenageado da festa. O foco nas “coisas” desbotou (de novo) a verdadeira Boa Nova de Natal.

Esta é uma preocupação genuína. Mas a consciência do perigo pode torná-lo mais evitável. Dediquemos algum tempo a pensar em qual é o foco que nós queremos dar ao Natal da nossa família. E consideremos o lado comercial da celebração como apenas um ruído de fundo.

2. Vamos rir da superficialidade das estratégias comerciais!

Você já sabe o que os anunciantes querem: o seu dinheiro. Eles normalmente têm poucos segundos para convencer você a gastar com eles. Por isso, a maioria das manobras da publicidade é infantilmente transparente. Em vez de roer os dentes de indignação, tente achar engraçado!

Eu, pessoalmente, adoro os comerciais de carros de Natal aqui nos Estados Unidos: na maioria deles, um homem ou uma mulher de sorte sai para uma varanda polvilhada de neve e recebe a maior surpresa de Natal de toda a sua vida: um carro de luxo! Agora, pergunte a si mesmo: quantas pessoas realmente querem que o seu cônjuge compre um carro para elas sem que elas participem da decisão? É ridículo. Mas há um elemento insidioso nesses comerciais tão bobos: eles provavelmente fazem com que algumas pessoas pensem nos presentes que compraram, cuidadosamente embrulhados e cheios de carinho, e os achem pobres. Isso é triste. Mas você não precisa ser uma dessas pessoas.

3. Vamos reconhecer que esta época de presentear é também uma época de doar!

Sim, a época do Natal pode estimular uma cobiça insalubre de coisas materiais. Mas por que olhar para o copo e achá-lo meio vazio, se podemos achá-lo meio cheio? Esta é também uma época de doação e generosidade. As próprias propagandas que tentam gerar os apelos descarados que mencionamos acima recorrem a impulsos humanos magnânimos, a anseios de união e de amor, a lembranças encantadoras de família.

Algumas pessoas odeiam o Natal precisamente porque acham que esse “clima de amor” não existe na vida real. As expectativas incentivadas pelo Natal atingem de modo particularmente doloroso a solidão dessas pessoas, ou a sua sensação de fracasso pessoal. Mas esses casos acabam confirmando o desejo irresistível, sentido pela maioria de nós, de que o Natal seja mesmo uma época de mais união, de mais comunidade e de mais amor.

  • 1
  • 2
Tags:
NatalPecado
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
3
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
4
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
5
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia