Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

A audácia de Obama na reta final de seu governo

<p>Presidente americano Barack Obama discursa na Casa Branca no dia 17 de dezembro de 2014</p>

AFP - publicado em 19/12/14

"É hora de criar uma nova estratégia em relação a Cuba", proclamava Barack Obama em 2008, durante a campanha presidencial. Seis anos mais tarde, e dois anos antes de deixar a Casa Branca, o presidente decidiu agir.

Ao anunciar a retomada de relações diplomáticas com o regime comunista depois de negociações ultrassecretas iniciadas há 18 meses, o presidente americano rompe com meio século de isolamento de Cuba e dá um autêntico golpe político.

Assim como com o tema das mudanças climáticas ou da imigração, o presidente toma a iniciativa de maneira espetacular e até inesperada sobre várias de suas velhas promessas, nas quais muitos de seus partidários não acreditavam mais.

Paradoxo: a derrota de seu partido nas legislativas de novembro levou o presidente a dar uma guinada e ignorar as críticas de seus adversários políticos, que parecem ter sido surpreendidos.

Visivelmente incomodado, consciente de que não havia muito tempo para deixar seu nome gravado na história, Obama modifica em toques sucessivos a imagem pouco gloriosa de um líder indeciso e reticente em confrontar.

Retomando por alguns momentos a ênfase de sua primeira campanha eleitoral, com mais alguns cabelos brancos, defende com veemência suas decisões.

Em Brisbane, Austrália, apoia um acordo sobre o clima com a China que não tem precedentes: "Não posso esperar eternamente", alega. Em Las Vegas se gaba da regularização de milhões de imigrantes clandestinos diante de um sistema essencialmente injusto. "Gerações de imigrantes fizeram com que este país seja o que é".

A respeito de Cuba, explica sua iniciativa pela vontade de explorar novos caminhos depois de meio século de uma estratégia diplomática estéril. "Não acredito que possamos seguir fazendo o mesmo que há cinco décadas e esperar um resultado diferente", afirma. "Nem o povo americano, nem o povo cubano se beneficiam de uma política rígida herdada de acontecimentos que ocorreram quando a maioria de nós não havia nascido".

Segundo Julia E. Sweig, do Council of Foreign Relations, centro de reflexão de Washington, a concretização da promessa eleitoral de Obama levou tempo por várias razões. Entre as mais importantes, a prisão em Cuba em 2009 do americano Alan Gross, libertado na quarta-feira.

Mas o espetacular anúncio desta semana é, em primeiro lugar, o resultado "de dois anos de intenso trabalho diplomático" iniciado após a reeleição de Obama, em 2012, "que terminam hoje".

Sinal forte

Jeb Bush, ex-governador da Flórida e que acaba de anunciar sua intenção de competir pela candidatura republicana nas presidenciais de 2016, voltou na quarta-feira suas críticas ao presidente com o argumento de que frequentemente se comporta como "um rei ou um imperador".

Criticou amargamente uma decisão que, para ele, vem a recompensar os "odiosos irmãos Castro", dois ditadores. Opinou que mais uma vez Obama havia ido além de suas atribuições legais.

Neste contexto, a partida se anuncia politicamente difícil para Obama, que manifestou sua vontade de que o Congresso discuta o fim do "mais velho embargo do mundo".

Neste sentido, pode se beneficiar de um cenário relativamente novo. A imagem de uma Flórida cheia de cubanos ferozmente anticastristas e opostos a estender a mão já não resiste a nenhuma análise.

Segundo uma pesquisa realizada pela Florida International University, mais de dois terços dos cubano-americanos de Miami é favorável à retomada das relações diplomáticas com o regime comunista.

A possibilidade de uma visita do presidente americano a Cuba é levantada abertamente pela Casa Branca. Sinal forte, uma viagem como essa constituiria o fim de um dos últimos vestígios da Guerra Fria.

Os próximos meses serão decisivos no que se refere a outros temas internacionais que, assim como Cuba, são cercados de sigilo: o programa nuclear iraniano.

Em novembro de 2013 foi assinado um acordo provisório entre as grandes potências do chamado Grupo 5+1. O novo prazo para alcançar um acordo definitivo é 1 de julho de 2015.

Embora Washington e Teerã, sem relações bilaterais desde 1979, estejam muito longe de normalizá-las, um acordo sobre o programa nuclear iraniano constituiria uma vitória indiscutível de Obama, após três décadas de tensões que chegaram às ameaças de conflito armado.

Em oposição à ideia de que os últimos dois anos de mandato de um presidente americano são pouco produtivos, os de Obama podem ser decisivos na hora do balanço final de sua gestão.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia