Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconAtualidade
line break icon

Mundo comemora normalização de relações entre EUA e Cuba

<p>Estudantes cubanos se reúnem para comemorar a aproximação do país com os Estados Unidos no dia 17 de dezembro de 2014 em Havana</p>

AFP - publicado em 19/12/14

Líderes de todos os continentes comemoraram nesta quinta-feira o compromisso de Estados Unidos e Cuba para normalizar suas relações bilaterais, encerrando um capítulo de mais de cinco décadas de uma história de hostilidades entre dois adversários históricos.

Da China à América Latina, as reações ao discurso do presidente americano, Barack Obama, e ao de seu colega cubano, Raúl Castro, que se dirigiu na mesma hora aos cubanos pela televisão, foram eufóricas.

Em um pronunciamento que deixou para trás um dos últimos obstáculos da Guerra Fria, o presidente americano, Barack Obama, anunciou o início "de discussões com Cuba para restabelecer relações diplomáticas interrompidas desde janeiro de 1961".

Isso significa que "os Estados Unidos vão reabrir uma embaixada em Havana e funcionários de alto escalão visitarão Cuba", anunciou na quarta-feira.

Simultaneamente, o presidente cubano, Raúl Castro, anunciava o restabelecimento das relações diplomáticas com Washington.

"O isolamento submetido à ilha não funcionou; é hora de mudar de política", disse Obama em seu discurso, no qual se comprometeu a suavizar o embargo comercial imposto pelos Estados Unidos a Cuba.

A China afirmou nesta quinta-feira que "comemora e apoia a normalização das relações bilaterais" e convocou os Estados Unidos a retirarem o embargo contra Cuba.

Já o presidente boliviano, Evo Morales, declarou-se surpreso com o acordo e afirmou que Washington agora tem a obrigação de suspender o bloqueio econômico imposto à ilha.

"Sério, estou surpreso com este restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos", afirmou.

"O restabelecimento das relações não foi concessão de ninguém", enfatizou ainda, explicando que o bloqueio econômico fez com que Washington ficasse isolado no mundo, pois nas votações da ONU só contava com o apoio de Israel e um ou outro país.

Mas Cuba e Estados Unidos ainda precisam resolver vários assuntos internos antes de celebrar o fim do embargo que pesa sobre a ilha.

Nova era, novos desafios

"Na mudança mais importante de nossa política em mais de 50 anos, colocaremos um ponto final a uma abordagem obsoleta que por décadas fracassou em defender nossos interesses, e começaremos a normalizar as relações entre os dois países", afirmou.

Mas Obama não pôde anunciar o fim das sanções comerciais, já que é o Congresso aprovar essa iniciativa.

O presidente americano se comprometeu a impulsionar no Parlamento "um debate honesto e sério sobre o levantamento do embargo".

O anúncio de Obama sofreu ainda na quarta-feira uma forte resistência no Congresso, dominado pelos republicanos e reticente a qualquer aproximação com Cuba enquanto o país for governado pelo regime castrista.

O senador republicano Marco Rubio classificou o acordo entre Obama e seu colega cubano de inexplicável e disse que apenas adiará ainda mais a transição de Cuba do comunismo a um sistema democrático.

"A Casa Branca deu tudo e ganhou pouco", disse o legislador cubano-americano.

"Planejo usar todas as ferramentas a nossa disposição para reverter a maior quantidade possível destas mudanças", afirmou.

Um longo caminho

A decisão de Obama de mudar a política em relação a Cuba ocorre após mais de um ano de negociações com os auspícios do Canadá e nas quais o papa Francisco atuou como mediador.

"Com estas mudanças, pretendemos criar mais oportunidades para os americanos e os cubanos e iniciar um novo capítulo entre os países das Américas", disse Obama.

"Todos somos americanos", acrescentou em espanhol.

Depois de um embargo comercial contra Cuba de mais de 50 anos, a Casa Branca disse que ampliará a quantidade de dinheiro que os cidadãos americanos podem evitar o empobrecido país comunista e abrirá o fluxo de turistas americanos que viajam para lá, revitalizando a fraca economia cubana.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia