Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 07 Março |
home iconAtualidade
line break icon

Homens que dão à luz e outros mitos pós-modernos

Gonzalo-Merat-CC

HOLLY HAMILTON-BLEAKLEY - publicado em 26/12/14

Termos biológicos como "mãe" e "pai" se tornaram politicamente contaminados

Saiu um novo estudo aqui nos Estados Unidos sobre “ser homem e ficar ‘grávido’”.

O jornal online “Obstetrics and Gynecology” [“Obstetrícia e Ginecologia”] publicou o artigo de pesquisa "Transgender Men Who Experienced Pregnancy After Female-to-Male Gender Transitioning" ["Homens transgênero que experimentam a gravidez depois da transição do gênero feminino para o masculino"]. O estudo, considerado de ponta, aborda o caso de 41 homens transexuais, ou seja, nascidos biologicamente como mulheres e que decidiram passar a viver como homens, bem como as suas experiências durante a gravidez.

Há alguns fatos interessantes que emergem do estudo, revelando um pouco sobre a vida das mulheres que se tornaram homens transexuais. Por exemplo, "o uso prévio de testosterona" parece não ter tido efeito sobre a gravidez, o parto e o nascimento entre os participantes da pesquisa. Os "homens neste estudo não tiveram problemas para conceber", tendo a maioria engravidado "com seus próprios óvulos e com os espermatozoides do parceiro", diz o texto. De fato, apenas 7% dos participantes tiveram que fazer tratamento para a fertilidade. Um terço nem sequer planejou a gravidez.

No entanto, há algo preocupante neste estudo e na sua redação: o uso da linguagem. Há uma insistência deliberada em chamar os participantes de "homens", o que, no contexto da gravidez e do parto, torna a leitura, digamos, provocante: "os homens não tiveram problemas para conceber"; "os homens usaram seus próprios óvulos"; "foi negada aos homens a assistência pré-natal". O estudo cita um dos participantes dizendo: "A gravidez e o parto foram experiências muito masculinas para mim. Quando eu dei à luz os meus filhos, eu nasci para a paternidade".

É claro que os teóricos do gênero irão nos dizer que a "identidade de gênero é um espectro" e que existe uma distinção fundamental entre o gênero e o sexo biológico. Segundo eles, cada um pode ser homem, se quiser, ou mulher, se quiser. O que importa não é o que está no DNA: o que importa é o que cada um quer ser.

A partir dessa perspectiva, deve haver uma mudança na linguagem para refletir tal compreensão do "spectrum" do gênero. Por isso, a característica singular que melhor define a distinção entre os sexos, ou seja, a possibilidade de dar à luz um filho, é agora algo que tanto o homem quanto a mulher “podem ter”.

No entanto, esta alegada diferença entre gênero e sexo biológico se torna especialmente questionável quando se trata de gravidez e parto. Se devêssemos dizer que o homem dá à luz, também teríamos que chamá-lo de pai da criança. Mas o pai é outra pessoa. Há um pai biológico e uma mãe biológica; há aquele que fecunda e aquela que gesta e dá à luz o filho. Talvez uma criança possa ter dois pais, mas não pode ter dois pais biológicos. Precisamos de termos separados para denominar as pessoas que têm essas funções biológicas diferentes.

O teórico do gênero pode responder que, sendo o sexo biológico diferente do gênero, é possível que um homem transexual realize a função biológica da mulher, mesmo que, psicologicamente, ela se identifique como um homem. Mas, novamente, a distinção entre gênero e sexo parece tênue.

O gênero, segundo os mesmos teóricos, é uma construção, algo criado culturalmente, que oprime o indivíduo por ditar como ele deve agir e pensar, ou mesmo como ele deve ser, com base no sexo biológico. Segundo essa teoria, quando o gênero e o sexo são diferentes, "ser homem" não é necessariamente possuir as partes do corpo próprias do sexo masculino: é identificar-se com um “jeito masculino de ser”. Ainda assim, ficar “grávido” não é algo próprio do homem: nenhum indivíduo do sexo masculino pode se identificar com a experiência biológica de estar “grávido”. É duvidoso, portanto, que uma mulher possa identificar-se como homem estando grávida, já que nenhum homem pode identificar-se com tal experiência.

  • 1
  • 2
Tags:
GravidezIdeologia de Gênero
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
4
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
BABY BORN
Reportagem local
Bebê “renasce” após ser batizado por uma médica
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia