Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconEstilo de vida
line break icon

Poupar em 2015: ainda é possível?

© Spiber/SHUTTERSTOCK

Família Cristã - publicado em 07/01/15

Começa um novo ano e temos menos dinheiro na carteira depois da época festiva. Como assumir daqui para a frente o controle das nossas despesas?

Eis 2015. Renova-se a esperança de que este pode ser um ano melhor que os anteriores. É todos os anos assim. Acredita-se que tudo pode ser diferente quando começa a contagem decrescente para o ano novo. Três, dois, um… Viva 2015! E… tudo permanece igual, os dias vão passando e nada parece mudar (só as rugas que vão aparecendo e os quilos a mais depois das comezainas das festas alteram alguma coisa – mas mudanças dessas, quase todos dispensam).

Ainda há dias se multiplicavam os votos para que o novo ano fosse próspero e… por ora, não há grandes sinais de prosperidade. Mas o que se começou a fazer para alterar o rumo do ano? Agora que começou 2015, está na altura de se pensar em propósitos de vida para os meses vindouros. «A poupança tem de ser um objetivo de vida, mas também tem de ter um objetivo ou vários», sublinha Natália Nunes, coordenadora do Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado (GAS), criado pela DECO.

O ano será mais frutífero se as sementes forem lançadas à terra no tempo certo. Janeiro é a altura ideal para se começar a elaborar um orçamento mensal. A gestão equilibrada das finanças pessoais visa não só a acumulação de dinheiro, mas também permite que se alcancem os objetivos a que as pessoas se propõem: «O início do ano leva muitas famílias a repensarem nos seus comportamentos. Olham para o que aconteceu no ano passado e para aquilo que pretendem fazer este ano. Um bom objetivo para 2015 e que não custa nada – só mesmo tempo – é fazer-se um orçamento familiar mensal. Está demonstrado que é o melhor instrumento que as famílias têm para gerir o seu dinheiro, envolvendo todos nessa operação», realça a especialista da DECO na questão da poupança.

Novos comportamentos financeiros

Há modelos de orçamentos para todos os gostos que ajudam a disciplinar as finanças. Cada agregado familiar pode encontrar ou criar o que melhor se ajusta ao seu contexto. «O ideal é que seja construído pela própria família, porque nem todas têm, por exemplo, rubricas de crédito. Olha-se para um modelo, mas não tem se seguir tudo exatamente tal como está lá – tem de ser adaptado à realidade de cada família.»

Há que encarar 2015 com novos olhos. A situação de dificuldades em que se encontram as famílias que têm procurado a ajuda da associação para a defesa dos consumidores lança o alerta: «Por mês, recebemos mais de 600 pessoas que nos contactam pessoal e telefonicamente ou por escrito. Até temos recebido contactos de fora do país, de emigrantes portugueses, que partiram por situações de desemprego para poderem pagar as suas dívidas», conta Natália Nunes.

Esta realidade convida a uma reflexão. Há quem olhe para esta crise e veja uma oportunidade para repensar na vida e optar por novos comportamentos financeiros. Há também quem torça o nariz e dê voltas e mais voltas à cabeça sem saber onde pode fazer poupança quando o dinheiro mal chega até ao fim do mês. Se há, de facto, famílias que já não têm capacidade de poupança, outras há que ainda podem encontrar uma nesga de luz: «Lembro-me que no início de 2000, antes da crise em 2008, fazíamos ações de sensibilização da gestão do orçamento familiar e, quando chegávamos à questão da poupança, todos nos diziam nessa altura que já não era possível poupar. E demonstrávamos às pessoas que era possível, com alguns comportamentos, conseguir-se poupar», recorda.

Se se olhar para o passado e para o presente, encontram-se diferenças substanciais: «Analisando o antes e o depois de 2008, verificamos que, com o agravar da crise, a generalidade das famílias, com menos rendimentos disponíveis ao fim do mês, começou a ser mais cuidadosa na forma como lida com o dinheiro, com a água, luz, gás, compara preços no supermercado, opta por marcas próprias… Esta alteração de comportamentos mostrou que havia ainda capacidade de poupança da parte das famílias portuguesas», sustenta.

  • 1
  • 2
Tags:
Economia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia