Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 15 Abril |
São Damião Veuster
home iconAtualidade
line break icon

França mobiliza 10.000 soldados adicionais para prevenir novos ataques

<p>Um soldado francês é visto em frente à Torre Eiffel no dia 7 de janeiro de 2015 em Paris</p>

AFP - publicado em 12/01/15

A França anunciou nesta segunda-feira uma mobilização militar sem precedentes em seu próprio território para proteger os pontos sensíveis – incluindo as escolas judaicas -, um dia após as manifestações contra os atentados que reuniram quase quatro milhões de franceses.

O ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, anunciou as medidas nesta segunda-feira após uma reunião de crise com o presidente François Hollande, num momento em que a França busca evitar novos ataques extremistas.

Segundo o primeiro-ministro Manuel Valls, acredita-se que há 1.400 jihadistas franceses ou residentes na França candidatos potenciais ou que já se somaram à Jihad na Síria ou no Iraque.

"Há 1.400 indivíduos envolvidos nas partidas pela jihad para o terrorismo, na Síria e no Iraque", disse Valls ao canal BFMTV. "E isso representa um grande aumento: havia trinta quando me tornei ministro do Interior (em meados de 2012), e são 1.400 atualmente", insistiu.

Em resposta a esta situação alarmante que parece sobrecarregar as capacidades dos serviços de inteligência, o ministro da Defesa anunciou nesta segunda-feira uma verdadeira operação interna com soldados e destacou que "é a primeira vez em que há uma mobilização de tal amplitude em nosso território".

"Decidimos, junto ao chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (general Pierre de Villiers), mobilizar 10.000 homens para a proteção de pontos sensíveis em todo o território a partir de amanhã", terça-feira, acrescentou.

Segundo Jean-Yves Le Drian, que se negou a identificar quais eram estes pontos sensíveis, a mobilização dos soldados começou na manhã desta segunda-feira.

Cerca de 5.000 policiais e gendarmes já foram mobilizados nesta segunda-feira para proteger as 717 escolas e os locais de culto judeus da França após os atentados.

No domingo, para expurgar com lágrimas e sorrisos uma semana de violência ensandecida, uma maré humana se manifestou nas ruas de uma Paris em estado de sítio, marchando com Hollande e meia centena de líderes estrangeiros.

Ao menos 3,7 milhões de manifestantes em toda a França, de 1,2 a 1,6 milhão em Paris, segundo o Ministério do Interior, se manifestaram no domingo após os ataques jihadistas que na semana passada deixaram 17 mortos nos atentados contra a Charlie Hebdo e contra um supermercado kosher.

A marcha estava concebida inicialmente como uma homenagem às vítimas dos três jihadistas proclamados, entre eles os irreverentes cartunistas da revista Charlie Hebdo mortos na quarta-feira, uma jovem agente municipal e quatro judeus mortos na sexta-feira no supermercado.

Mas acabou sendo algo inédito por sua dimensão planetária e pela imagem assombrosa de líderes estrangeiros caminhando de braços dados por algumas centenas de metros: François Hollande ao lado do presidente malinês, Ibrahim Boubakar Keita, e da chanceler alemã Angela Merkel; o presidente palestino, Mahmud Abbas, a alguns metros do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, o britânico David Cameron, o rei da Jordânia, o italiano Matteo Renzi, o espanhol Mariano Rajoy.

Netanyahu em mercado kasher

Após a marcha, Hollande e Netanyahu se dirigiram à grande sinagoga de Paris na noite de domingo em uma cerimônia em homenagem às vítimas dos atentados.

O primeiro-ministro, que irritou as autoridades francesas com seu chamado aos judeus na França a se instalar em Israel, expressou seu apreço à posição muito firme da França contra "o novo antissemitismo" e o terrorismo. Também agradeceu a um funcionário muçulmano do supermercado que salvou reféns na sexta-feira.

Nesta segunda-feira, Netanyahu permaneceu em Paris para visitar o supermercado kasher do leste de Paris onde os quatro judeus foram motos.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
4
LOVE AND MERCY FILM
Aleteia Brasil
O filme sobre Santa Faustina e a Divina Misericórdia já está disp...
5
DIVINE MERCY
Reportagem local
Como obter indulgência plenária no Domingo da Divina Misericórdia...
6
agnus Dei
Catholic Link
Filme “Agnus Dei”: o dilacerante calvário das freiras...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia