Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Janeiro |
Conversão de São Paulo
home iconAtualidade
line break icon

Chechênia lidera protestos no mundo muçulmano contra charge de Maomé

<p>Capas de jornais iranianos com manchetes sobre os recentes ataques islamitas em Paris. Foto tirada em Teerã, no dia 12 de janeiro de 2015</p>

AFP - publicado em 19/01/15

Uma maré humana inundou Grozny, nesta segunda-feira, para condenar as caricaturas de Maomé, enquanto bandeiras francesas eram queimadas no Afeganistão e franceses eram ameaçados em Gaza, em um novo dia de protestos contra a publicação da nova charge do profeta islâmico pelo jornal Charlie Hebdo, depois de um fim semana marcado pela violência no Níger.

Quase duas semanas após o massacre do semanário satírico, no qual doze pessoas morreram com tiros disparados por dois irmãos jihadistas franceses, a incompreensão é total no mundo entre aqueles que defendem o direito de um pequeno jornal satirizar a religião e aqueles que denunciam a blasfêmia.

A Chechênia, república muçulmana do Cáucaso russo, tornou-se por algumas horas nesta segunda a capital da contestação anti-Charlie Hebdo.

Aos gritos de "Allah Akhbar" ("Alá é grande"), os manifestantes levavam cartazes com corações vermelhos e inscrições em árabe proclamando seu amor pelo profeta Maomé, segundo imagens difundidas pela televisão russa.

As autoridades locais e o governo federal em Moscou falam de 800.000 a 1 milhão de manifestantes reunidos em frente à mesquita de Grozny.

Mas é difícil dizer com precisão quantas pessoas, da Chechênia e de todo Cáucaso russo, responderam à convocação do líder checheno Ramzan Kadyrov.

A população total da Chechênia é oficialmente de 1,2 milhão de habitantes e a de Grozny, de 220.000 habitantes.

"Por trás do incidente das caricaturas, encontram-se as autoridades e os serviços secretos dos países ocidentais", acusou o líder à multidão.

"Esta é uma manifestação contra aqueles que insultam a religião muçulmana", declarou aos pés da gigantesca mesquita que mandou construir no centro de Grozny, em homenagem ao seu pai, Ahmed Kadyrov.

"Não autorizaremos nunca nada que possa insultar o nome do profeta", completou, em referência às caricaturas publicadas no Charlie Hebdo.

Kadyrov havia descrito previamente os autores das caricaturas de Maomé como "pessoas sem valores espirituais e morais". Também qualificou de "inimigo de todos os muçulmanos" o ex-oligarca russo Mikhail Khodorkovski, que pediu aos meios de comunicação russos para publicar as caricaturas do profeta.

Bandeiras francesas queimadas

Como na Chechênia, a contestação contra as caricaturas de Maomé tem mobilizado pessoas em vários países. Em Jalalabad, no leste do Afeganistão, cerca de 500 manifestantes protestaram e queimaram uma bandeira francesa.

No Paquistão, 250 militantes do Jamaat-e-Islami (JI), um dos principais partidos islâmicos do país, gritaram palavras de ordem como "Morte à França" e "Morte ao Charlie Hebdo" em Peshawar (noroeste), após três dias marcados por muitas manifestações, às vezes violentas, em todo o país.

"Peço ao governo do Afeganistão e de outros países islâmicos que cortem suas relações diplomáticas com a França", declarou à AFP Matiullah Ahmadzai, de 25 anos, exigindo que Paris "peça desculpas" aos muçulmanos.

Na sexta-feira, uma manifestação terminou em confronto em frente ao consulado francês em Karachi, onde um fotógrafo da AFP foi baleado e ficou gravemente ferido.

A embaixada da França em Teerã também foi escolhida como o ponto de encontro de 2.000 manifestantes iranianos que gritavam "Morte à França", "Morte a Israel" e "Nós amamos o profeta".

Em Gaza, a bandeira francesa foi queimada e ameaças contra os franceses também foram proferidas por cerca de 200 radicais islâmicos.

"Franceses, deixem Gaza, se não nós iremos matá-los", ameaçaram em frente ao Centro Cultural Francês estes homens com a bandeira negra da jihad.

O Níger, que foi palco dos protestos mais violentos contra as caricaturas de Maomé, mantém o estado de alerta decretado depois dos tumultos que causaram dez mortes.

Cerca de 300 cristãos continuam sob proteção militar em Zinder, onde cinco pessoas morreram na sexta-feira.

No total, durante os tumultos que também fizeram cinco vítimas no sábado em Niamey, quarenta e cinco igrejas foram queimadas e lojas, hotéis e uma escola e um orfanato de propriedade de não-muçulmanos foram destruídos.

O governo declarou luto nacional de três dias a contar a partir desta segunda em memória das vítimas.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
2
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
3
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
4
FAMILY PRAY
Philip Kosloski
Oração para manter as crianças longe do perigo
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
7
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia