Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 26 Novembro |
São Silvestre Guzzolini
home iconReligião
line break icon

Cuidado com a ouija

© Gabriel Molina

SIAME - publicado em 22/01/15

A venda das tábuas ouija cresceu devido a um filme de terror financiado pela empresa de jogos que as comercializa

Invocar os mortos é um sinal de desconfiança, de falta de fé na vontade de Deus. A tábua ouija tem esta finalidade, e se tornou mais famosa devido a um filme de terror recente que conta a história de jovens que jogam com o tabuleiro de adivinhação até despertar vários demônios que tentarão acabar com eles.

O filme Ouija – o jogo dos espíritos, que foi bem recebido entre os jovens e adolescentes, na verdade é uma jogada comercial, pois sua produção foi financiada parcialmente pela empresa norte-americana de jogos que produz e comercializa estes tabuleiros, cuja venda cresceu nos países em que o filme foi apresentado.

Dessa maneira, o filme, ao invés de ensinar o jovem a ser prudente, seduz com a ideia de brincar com fogo e sobreviver a ele, colocando em risco a saúde emocional – como já foi constatado por inúmeros sacerdotes no mundo inteiro.

História e funcionamento da ouija

Em entrevista para Desde la Fe, os Pe. Sergio Román de Real, especialista em piedade popular, afirma que, no século XIX, ficaram famosos os chamados espiritistas e as sociedades de estudo do sobrenatural.

Foi neste contexto que surgiu a ouija, cujo nome, ao que parece, provém das palavras “oui” e “já”, que significam “sim” em francês e alemão, respectivamente. Ou seja, é um “sim” reiterativo.

O padre explica: “É um tabuleiro com o abecedário, os números e as palavras ‘sim’ e ‘não’, sobre o qual se desliza um indicador móvel no qual a pessoa coloca a mão e este vai soletrando a suposta resposta do espírito invocado”.

Por “médium” se entende uma pessoa que pode se comunicar com os mortos e com os demônios; é o meio para conhecer respostas que se ignoram. Assim, na ouija, o médium é a pessoa que usa o indicador do tabuleiro, colocando sua mão suavemente sobre ele e deixando-o mover-se “livremente”, segundo a inspiração do espírito em turno.

Sobre o movimento do indicador, o Pe. Román diz que “pode ser que o médium o mova segundo sua vontade consciente, e então o jogo é somente uma brincadeira ou engano para a vítima inocente”.

Mas também pode acontecer de o indicador se mover “sem a vontade consciente” do médium e, neste caso, temos o que os psicólogos chamam de engano inconsciente.

O indicador da tábua de ouija se torna, assim, uma “tela” que expressa o inconsciente do médium e que dá uma resposta que o consciente jamais daria. Dessa maneira, a ouija se converte em uma espécie de telefone com linha direta ao subconsciente.

É possível comunicar-se com os mortos?

Então a ouija não é uma espécie de “telefone do além”? Os mortos não podem se comunicar conosco? Estas perguntas sempre inquietaram a humanidade, por sua necessidade de penetrar o oculto, e isso levou muitas pessoas a inventarem métodos para falar com os mortos.

É verdade que há uma série de fenômenos estranhos tradicionalmente atribuídos aos espíritos dos mortos e que os cientistas explicam hoje como fenômenos parapsicológicos ou paranormais.

O Pe. Román explica que a Igreja Católica aceita que os seres do “além” possam se comunicar com os vivos, como no caso dos anjos, mensageiros de Deus, que anunciam algo aos mortais, ou no caso das aparições de Jesus, de Maria ou dos santos.

“Mas acreditar que podemos incomodar o descanso dos mortos é ir contra a doutrina cristã sobre o destino final dos defuntos. A parábola que Jesus nos contou sobre o homem rico que, do inferno, solicitava que enviassem o pobre Lázaro para avisar seus irmãos que haveria um castigo, nos faz ver que os mortos não têm por que regressar, se já temos Moisés e os profetas.”

No entanto, a tábua ouija tem um lado imoral. O Pe. Román afirma: “Sim, usar a ouija é um pecado; mas, além disso, representa um perigo quanto ao desequilíbrio emocional, muitas vezes grave, dos que jogam com ela. A ouija é uma porta, sim, mas não uma porta para o além, e sim uma porta para a perda da sanidade”.

(Artigo publicado originalmente por SIAME)

Tags:
Superstição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Confissão não é para contar problemas, mas para contar pecados
Pe. Gabriel Vila Verde
Confissão não é para contar problemas, mas pa...
RED WEDNESDAY
Reportagem local
Perseguição aos cristãos no mundo é denunciad...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia