Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Dezembro |
Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Japão aguarda com angústia notícias sobre reféns do Estado Islâmico

<p>O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, antes de uma reunião em Tóquio</p>

AFP - publicado em 23/01/15

O governo de Tóquio tentava nesta sexta-feira dissuadir o Estado Islâmico de matar dois reféns japoneses, horas depois do fim do prazo para o pagamento de um resgate, e à espera de um comunicado iminente anunciado por um porta-voz do grupo jihadista.

"Não houve nenhuma mensagem" do EI, declarou à imprensa o porta-voz do governo Yoshihide Suga, reconhecendo que a situação é muito tensa. O ultimato de 72 horas expirou às 14h50 locais (03h50 de Brasília).

O destino de Haruna Yukawa e Kenji Goto continuava sendo uma incógnita.

A rede de televisão pública japonesa NHK, que entrou em contato pela internet com um suposto porta-voz do EI, divulgou nesta sexta-feira um trecho de uma conversa na qual seu interlocutor afirmava que mais tarde será divulgado um comunicado.

Pela manhã, a mãe do jornalista independente Kenji Goto, sequestrado pelo EI supostamente no fim de outubro, pediu às autoridades japonesas que ajudadem seu filho. "Suplico, senhores do governo, por favor, salvem a vida de Kenji", declarou Junko Ishido em um comunicado.

"Não é um inimigo do Islã", acrescentou dirigindo-se aos jihadistas.

O ministro das Relações Exteriores, Fumio Kishida, não quis responder sobre os contatos com o EI e ressaltou que "o governo seguia mandando mensagens por todos os meios" para se fazer ouvir.

"O que devemos fazer é utilizar todos os canais para reunir a informação necessária para libertar os reféns", insistiu Suga, repetindo que o Japão "não cederá às ameaças terroristas".

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, e o titular das Relações Exteriores pediram ajuda a Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Jordânia, Turquia, Egito, Austrália e Itália para libertar os reféns.

A comunidade internacional pressiona Tóquio para não pagar a totalidade nem uma parte dos 200 milhões de dólares.

Um islamólogo japonês, Jo Nakata, que afirma ter vínculos com o Estado Islâmico, propôs nesta quinta-feira sua mediação ao governo e, se expressando em árabe, pediu que os jihadistas prorroguem o prazo.

Infiéis

O primeiro refém, Haruna Yukawa, um homem de 42 anos que dizia realizar missões de segurança, foi sequestrado e maltratado na Síria por militantes islamitas em agosto, segundo um vídeo publicado na internet.

O segundo, Kenji Goto, nascido em 1967, é um jornalista independente que fornecia reportagens sobre o Oriente Médio às televisões japonesas e também era ativo nas causas humanitárias. Entrou na zona controlada pelo EI no fim de outubro e não voltou a dar notícias.

Em um vídeo produzido pouco antes, explicava que partia em busca de Yukawa, a quem conhecia. Sua esposa recebeu em novembro e-mails que exigiam o pagamento de um resgate.

O Japão, um aliado dos Estados Unidos e que contribuiu na luta contra o jihadismo, é considerado pelos extremistas um dos países que os combate, embora não participe de ações militares.

"Os japoneses são infiéis que lutam contra o Estado Islâmico", insistiu o porta-voz contactado pela NHK.

Cerca de 20 países da coalizão internacional contra o EI examinaram na quinta-feira em Londres suas operações no Iraque e na Síria.

"O Daesh (acrônimo árabe de Estado Islâmico) não é simplesmente um problema sírio, não é um problema iraquiano, o Daesh é um problema mundial", declarou em Londres o secretário americano de Estado, John Kerry.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia