Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 28 Fevereiro |
Beato Daniel Brottier
home iconReligião
line break icon

Comungar e depois se confessar?

abouna.org

Pe. Henry Vargas Holguín - publicado em 28/01/15

É como vestir-se e depois tomar banho

Pergunta

Há pouco tempo, vivi uma situação na qual estava esperando para me confessar, e o padre, que tinha de celebrar a missa, nos pediu que fizéssemos um ato de contrição pelos pecados, recebêssemos a comunhão e depois nos confessássemos. Eu gostaria de saber se isso é lícito ou correto, porque é preciso estar em graça para comungar.

Resposta

Um preceito divino nos diz que não se pode comungar em estado de pecado mortal.

A Igreja, para cuidar da dignidade do sacramento da Eucaristia e da alma dos fiéis, impôs um preceito no Concílio de Trento: que ninguém comungue tendo consciência de haver cometido um pecado mortal, por mais contrito que estiver; é preciso confessar-se antes. Então, também há um preceito eclesiástico.

Mas há exceções? Sim, porque os preceitos eclesiásticos não obrigam quando existe uma dificuldade grave, séria e/ou excepcional.

O preceito eclesiástico pode admitir uma exceção quando houver um motivo grave e a pessoa não tiver tempo ou oportunidade de se confessar (quando está, por exemplo, em perigo de morte).

Neste caso, o fiel é obrigado a fazer um ato de contrição perfeita, que inclui o propósito de confessar-se o mais rápido possível. Outra exceção é o caso de alguma dificuldade grave, como, por exemplo, uma séria necessidade de comungar.

Mas é preciso levar em consideração que quase nunca há obrigação de comungar. Só é obrigatório comungar uma vez ao ano, na Páscoa.

Ou seja, se uma pessoa tem absoluta obrigação de comungar e não pode se confessar antes, pode fazer um ato de perfeita contrição e comungar, mas de maneira gravemente excepcional, e com a obrigação de se confessar posteriormente.

Obviamente, sem uma necessidade real, e uma dificuldade grave também real, seria um grave abuso descumprir este preceito da Igreja, cuja finalidade não é impedir as pessoas de comungar, mas incentivar a fazê-lo dignamente, evitando todo perigo de sacrilégio.

Algumas pessoas podem afirmar: "Mas um padre me disse que eu poderia comungar…". Mas será que um sacerdote pode eximir a pessoa do cumprimento da lei divina segundo a qual não se pode comungar em estado de pecado mortal?

A resposta é não, porque o padre não tem potestade sobre a lei divina. Se ele disser isso, estará errado.

Há coisas sobre as quais um padre tem poder, e outras não. Se um sacerdote autoriza a pessoa a fazer algo sobre o qual ele não tem potestade, a autorização é absolutamente inválida.

Além disso, um mau conselho não é desculpa para poder pecar. Portanto, não perca tempo buscando consensos para comungar: estar ou não em condições de comungar não depende do padre que estiver na sua frente.

Dizer a um fiel: "Comungue, que depois eu confesso você" (salvo em casos excepcionais de necessidade grave de comungar) é um absurdo; seria como dizer: "Cometa um sacrilégio, que depois eu confesso você".

Se é possível evitar um sacrilégio, por que não evitá-lo? O melhor é não cometer sacrilégios.

Outra coisa é ter apenas pecados veniais: estes não impedem a comunhão. Mas, quanto antes a pessoa se confessar, melhor.

Jesus disse: "Tomai e comei", mas, para responder a este convite, precisamos nos preparar, pois é um momento grande e santo.

São Paulo convida a fazer um exame de consciência: "Todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação" ( 1 Cor 11,27-29).

Quem tem consciência de estar em pecado grave, deve receber o sacramento da Reconciliação antes de comungar (Catecismo da Igreja Católica, 1385).

Neste caso concreto exposto na pergunta, a pessoa que estava na fila para se confessar e não conseguiu fazê-lo antes da missa, poderia esperar a missa acabar para se confessar, e depois pedir ao padre que lhe desse a comunhão, ou comungar na próxima missa.

Tags:
ConfissãoEucaristia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
3
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
6
PADRE PIO
Bret Thoman, OFS
O Padre Pio diz que este é um pecado difícil de Deus perdoar
7
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia