Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 29 Novembro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Livro afirma que Estado Islâmico construiu base quase invencível

ISIS claims beheading 18 Syrians – AFP – pt

© AFP / HO / al-Furqan Media

Agências de Notícias - publicado em 08/02/15

O líder do EI, Zarqawi, era tão fanático que fazia Bin Laden parecer um moderado

O grupo Estado Islâmico (EI) aprendeu com os erros do passado cometidos pelos movimentos jihadistas e estabeleceu uma base de apoio quase invencível dentro do Iraque e Síria, com apelo espetacular para muitos dos muçulmanos sunitas do mundo, revelou um novo livro.

Os autores de "ISIS: Inside the Army of Terror", publicado neste mês nos Estados Unidos, conversaram com dezenas de combatentes e membros do grupo para compreender seu fascínio e como ele justifica suas táticas brutais. ISIS é o acrônimo do Estado Islâmico em inglês.

Em uma entrevista por telefone à AFP, um dos autores, o jornalista de origem síria Hassan Hassan, declarou que é vital entender que algumas das crenças religiosas centrais do grupo foram amplamente difundidas.

"Apresenta-se como um movimento apocalíptico, falando sobre o fim dos dias, o retorno do califado e sua eventual dominação do mundo", explicou Hassan, que vive em Abu Dhabi, onde trabalha como pesquisador para um "think tank".

"Essas crenças não estão à margem – elas são absolutamente dominantes. Elas são pregadas por mesquitas em todo o mundo, especialmente no Oriente Médio", disse.

"O ISIS pega essas crenças existentes e as torna mais atraentes, oferecendo um projeto que está acontecendo agora", explicou, usando um nome alternativo para o EI.

A pesquisa de Hassan junto com o co-autor Michael Weiss – um jornalista baseado nos Estados Unidos – deu a eles uma visão rara sobre o treinamento de novos recrutas do EI, que varia de duas semanas a um ano.

"Os recrutas recebem formação militar, política e religiosa. Eles também são treinados em contra-inteligência para evitar infiltrações", disse Hassan.

"Depois de se formarem, os recrutas permanecem em observação e podem ser expulsos ou punidos se mostrarem hesitação, ou enviados de volta aos campos para fortalecer a sua fé", declarou.

O EI utiliza certos textos e clérigos para fornecer uma justificativa religiosa para a sua violência, particularmente um livro chamado "The Management of Savagery" (A Gestão da Selvageria, em tradução livre), que argumenta que a brutalidade é uma ferramenta útil para incitar o Ocidente a uma reação exagerada.

Seis categorias

Os autores descrevem seis categorias de recrutas do EI.

Apenas duas estão enraizadas na religião: elas incluem os ultrarradicais que dominam os escalões superiores do grupo e as pessoas que aderiram recentemente à sua ideologia extremista.

Outros recrutas são apenas oportunistas que buscam dinheiro ou poder; pragmáticos que querem estabilidade e encaram o EI como a sua única chance; e os combatentes estrangeiros cujos motivos variam muito, mas "são quase sempre alimentados por equívocos graves sobre o que está ocorrendo no Iraque e na Síria".

A categoria final e mais importante de recrutamento é muitas vezes subestimada pelo Ocidente – os recrutas atraídos pela ideologia política do grupo.

Muitos muçulmanos sunitas da região se sentem ameaçados por xiitas liderados por um Irã ressurgente.

"Em toda a região, os xiitas estão confiantes, corajosos e em ascensão, enquanto os sunitas se sentem inseguros e perseguidos", disse Hassan.

"Muitos discordam de ISIS por razões éticas, mas o encaram como o único grupo capaz de protegê-los", explicou.

Os autores também ressaltam que o EI não é novo, mas surgiu das cinzas da Al-Qaeda no Iraque (AQI), um dos inimigos mais brutais dos americanos após a invasão de 2003.

A AQI foi amplamente derrotada depois que os Estados Unidos convenceram tribos locais a se erguer contra ela – uma estratégia conhecida como "The Awakening" (O despertar), que influenciou profundamente as ações do EI.

"Desde o início, eles estão obcecados com o ‘Awakening’", disse Hassan.

"Eles fizeram de tudo para impedir que isso acontecesse novamente: construíram células adormecidas, compraram lealdade, dividiram comunidades", explicou.

"Eles conseguiram fazer com que uma resistência interna seja praticamente impossível. Nenhuma tribo vai combatê-los, porque acabará lutando contra seus próprios irmãos e primos", acrescentou.

Vingança de Saddam

Os autores também retratam o EI como uma vingança do regime do Partido Baath de Saddam Hussein mais de uma década depois que o ditador iraquiano foi derrubado do poder.

Muitos dos principais tomadores de decisão do EI serviram no exército de Saddam ou nos serviços de segurança, afirma o livro.

Embora os baathistas fossem originalmente um movimento secular, Saddam introduziu uma "campanha de fé" na década de 1990 que buscava islamizar a sociedade.

"Poucas pessoas se centraram no impacto desta campanha", disse Hassan.

"Ela radicalizou muitos baathistas e eles combinaram a violência do regime com a do jihadismo, se tornando ainda piores que a Al-Qaeda".

De fato, Osama bin Laden se desentendeu com o líder da AQI Abu Musab al-Zarqawi por sua brutalidade horrível e pelos ataques sectários contra muçulmanos xiitas.

Zarqawi, que foi morto por um ataque com mísseis americano em 2006, era tão fanático que fazia Bin Laden parecer um moderado, e exatamente as suas ideias foram absorvidas pelo EI.

Hassan continua pessimista sobre os esforços ocidentais de contra-insurgência.

"Continuo ouvindo este argumento de que você pode enfrentar o ISIS com propaganda, que esta é uma guerra de informação", disse.

"Mas eles combinam religião, geopolítica, economia e muito mais na sua ideologia. Não é uma ideologia frágil – eles têm apelo de massa", completou.

(AFP)

Tags:
Estado Islâmico
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia