Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconAtualidade
line break icon

Erdogan critica silêncio de Obama após assassinatos de muçulmanos

<p>O presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante discurso na Cidade do México em 12 de fevereiro</p>

AFP - publicado em 13/02/15

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, criticou nesta quinta o "silêncio" do presidente americano, Barack Obama, a respeito do assassinato de três estudantes muçulmanos, terça-feira, em Chapel Hill (Carolina do Norte, sudeste dos EUA).

"Na Carolina do Norte, três muçulmanos foram assassinados, e Obama não fez qualquer pronunciamento a respeito", reclamou Erdogan, em declarações à imprensa no Palácio Nacional mexicano.

O presidente turco chegou na quarta à noite à Cidade do México, em uma escala de sua viagem pela América Latina, após passar por Colômbia e Cuba.

"Esses jovens não eram terroristas. Eram muçulmanos de origem síria. Eram três irmãos estudantes. Nem Obama, nem (o secretário de Estado, John) Kerry, nem o prefeito fizeram qualquer pronunciamento", lamentou Erdogan, elevando o tom de voz.

"Se você ficar em silêncio (Obama), o mundo ficará em silêncio para você. As novas gerações verão isso (…) Somos políticos, somos responsáveis por tudo o que acontece em nossos países e temos de mostrar nossas posições", insistiu o presidente turco.

Um homem da Carolina do Norte que defendia pontos de vista antirreligiosos foi acusado do assassinato dos três estudantes muçulmanos, incluindo um marido e sua esposa, mortos a tiros na cidade universitária de Chapel Hill, declarou a polícia na quarta-feira.

A polícia informou que investiga a possibilidade de um crime de ódio, mas que o incidente parece ter sido desencadeado por uma briga de vizinhos causada por um estacionamento.

O atirador, identificado como Craig Stephen Hicks, de 46 anos, foi detido sem direito a fiança na cadeia do condado de Durham por três acusações de assassinato em primeiro grau, segundo a polícia.

Declaradas mortas no local do crime, as vítimas foram identificadas como os moradores de Chapel Hill Deah Shaddy Barakat, de 23 anos, e sua esposa Yusor Mohammad, de 21, assim como sua irmã, Razan Mohammad Abu-Salha, de 19, de Raleigh.

A imprensa informa que Barakat era estudante do segundo ano de Odontologia, enquanto sua mulher pretendia começar o mesmo curso no outono. Razan também era aluna da Universidade da Carolina do Norte.

Hicks se entregou à polícia após o tiroteio na terça-feira em Chapel Hill, perto do campus da Universidade da Carolina do Norte.

"Nossa investigação preliminar indica que o crime foi motivado por uma disputa com um vizinho sobre estacionamento", declarou a polícia de Chapel Hill em um comunicado, acrescentando que Hicks estava cooperando com os investigadores.

"Nossos investigadores estão explorando o que pode ter motivado o sr. Hicks a cometer um ato tão trágico e sem sentido como esse. Entendemos as preocupações sobre a possibilidade de que o crime tenha sido motivado pelo ódio e vamos esgotar todas as pistas para determinar se esse foi o caso", disse o chefe da polícia, Chris Blue.

As cautelosas declarações da Polícia contrastam com as angustiadas reações de muitos muçulmanos, entre eles a do pai das duas estudantes assassinadas, que pediu aos investigadores que tratassem os homicídios como um "crime de ódio".

"Não foi uma disputa por uma vaga de estacionamento. Foi um crime de ódio", disse o psiquiatra Mohammad Abu-Salha, pai das duas jovens assassinadas.

"Este homem já havia mexido antes com minha filha e seu marido e se dirigido a eles com uma arma na cintura", denunciou.

Ao jornal local "News & Observer", Abu-Shalha declarou que sua filha havia comentado, na semana anterior, sobre seus temores pela atitude de Hicks. Segundo ele, a jovem teria-lhe dito que "nos odeia pelo que somos e pelo nosso aspecto".

Uma página do Facebook que supostamente pertence a Hicks continha dezenas de mensagens antirreligiosas, incluindo uma em que ele se autointitula "antiteísta", afirmando que tem uma "objeção de consciência para a religião". Também há vários "memes", nos quais ele denuncia o Cristianismo, o Mormonismo e o Islã.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia