Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Janeiro |
home iconEstilo de vida
line break icon

Vacinas que provocam esterilidade

© Organización Mundial de la Salud

Mundo Negro Digital - publicado em 23/02/15

Resultados reveladores de uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde em parceria com a Igreja Católica

O caso ocorreu no Quênia, mas o componente é o mesmo utilizado na América do Sul.

Uma pesquisa promovida pela Igreja Católica e pelo Ministério da Saúde do Quênia revelou que a vacina contra o tétano, parte de uma campanha realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela UNICEF, provocou esterilidade em muitas das mulheres que a receberam.

No entanto, as conclusões da comissão científica não foram assinadas pelo governo, que se retirou do grupo conjunto às vésperas da publicação do relatório final.

“Cerca de 30% das doses recolhidas durante a campanha contra o tétano, patrocinada e promovida pela Organização Mundial da Saúde e pela UNICEF, contêm hCG”, afirmou a conferência episcopal do Quênia, na difusão do relatório.

“É imoral e pouco ético que a OMS e a UNICEF patrocinem e financiem uma campanha inumana como esta em nosso país”, acrescentaram os bispos, que também exigiram que tais organismos se desculpem com as meninas e mulheres do Quênia.

Anteriormente, um relatório do Ministério da Saúde do Quênia havia afirmado que as vacinas estavam livres de beta-hCG, o polêmico componente que causa a esterilidade. Para os bispos, ficou comprovado que estas conclusões eram falsas.

Os prelados também denunciaram tentativas de chantagem e intimidação a profissionais médicos que corroboraram os fatos sobre a vacina.

“A triste verdade é que a vacina se entrelaçou com o agente esterilizante da gonadotrofina coriônica humana (hCG) igual ao utilizado nos casos da América do Sul”, disse o Dr. Wahome Ngare, da Associação de Médicos Católicos do Quênia, que, meses atrás, impulsionou o caso, denunciando que nem as meninas nem as mulheres que receberam a vacina foram informadas sobre seu possível efeito anticonceptivo.

Esta não é a primeira vez que campanhas vinculadas à OMS são denunciadas como programas de esterilização encobertos.

Tags:
Vida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia