Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Exorcista adverte: há sombras perigosas em “Cinquenta Tons de Cinza”

Universal-Pictures
Compartilhar

Quando uma pessoa se abre a uma mensagem, ela acaba chegando ao seu coração

Líderes da Igreja católica o consideram imoral. Grupos de combate à violência doméstica denunciam que ele glorifica perigosamente a violência sexual contra as mulheres. Críticos literários e de cinema afirmam que ele não tem uma história discernível nem razão suficiente para existir.

No entanto, “Cinquenta Tons de Cinza” quebrou recordes de bilheteria, arrecadando 81,7 milhões de dólares nos três primeiros dias de exibição. É a segunda maior estreia de todos os tempos para um mês de fevereiro, atrás apenas de “A Paixão de Cristo” (83,9 milhões de dólares, em 2004). É um ligeiro alívio saber que mais gente se viu atraída pelo sacrifício de Cristo do que por um filme sadomasoquista. Ainda assim, o fenômeno da atração exercida por “Cinquenta Tons de Cinza” desperta preocupações quanto à atual capacidade humana de discernimento entre o nocivo e o saudável.

Para avaliar a partir de mais um ponto de vista os elementos moralmente criticáveis do filme, dentro de uma cultura que já constitui em si mesma um desafio moral, fui entrevistar o pe. Patrick (nome fictício), sacerdote católico e exorcista que exerce o seu ministério pastoral nos Estados Unidos, junto com uma equipe de três membros auxiliares.
 
O pe. Patrick é pároco e foi designado exorcista diocesano há cinco anos, depois de ter passado seis em formação como auxiliar de um exorcista experiente. Os membros da sua equipe de libertação, que estavam presentes no momento da entrevista, o apoiam orando por ele enquanto o padre luta contra as forças demoníacas que atormentam as pessoas que o procuram para pedir ajuda. Todos os participantes da entrevista pediram que a sua identidade fosse mantida em sigilo, devido à natureza do seu trabalho pastoral.
 
Confira os comentários feitos por eles durante a nossa conversa:
 
Pe. Patrick: Quando você vai ver um filme como este [Cinquenta Tons de Cinza], você fica aberto àquilo que está sendo promovido. A mensagem que atinge você acaba chegando ao seu coração. Ela deforma o coração e interfere nos seus relacionamentos. As pessoas estão gostando, dizem que o filme é mera recreação, mas o filme zomba da criação de Deus.
 
Equipe auxiliar: “Recreação” evoca um “recriar”, mas o que este filme faz é profanar. Ele zomba do que Deus criou. Veja só o espírito de ironia: o personagem principal se chama Christian Grey. “Christian”, cristão. Ele não age como cristão. E “Grey”, cinza. Tons de cinza? Não há tons de cinza no cristão verdadeiro; é tudo ou nada. É tipicamente diabólico tentar nos convencer de que existe uma área cinzenta entre o certo e o errado. Na Missa, nós celebramos o sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo. Mas, nas missas negras, o sacrifício é ridicularizado e virado do avesso. O que é sagrado é profanado. O sexo, no casamento, é um presente sagrado de Deus. No filme, o sexo é contrário à virtude e à castidade e contrário à criação natural de Deus.
 
Pe. Patrick: Nós somos filhos de Deus. Se nós assistimos a filmes que promovem o mal, nos expomos a uma ladeira escorregadia, onde a mente perde a capacidade de discernir o que é certo ou errado, o que é limpo ou imundo. Estamos falando de uma guerra espiritual. Eu acho que isso acontece também com os filmes de vampiros, por exemplo. Por que as pessoas gostam? Que tipo de espírito elas estão acolhendo em sua vida? Sugadores de sangue? É o contrário do que é santo, luminoso, positivo. É entrar num mundo de trevas, em que algo está morto e morto para sempre. As pessoas estão se deixando seduzir por uma escuridão em sua vida. E os relacionamentos delas não vão se tornar melhores desse jeito.
 
Equipe auxiliar:

Páginas: 1 2 3

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.