Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Janeiro |
Santa Angela de Mérici
home iconAtualidade
line break icon

Crimeia: mais russa do que nunca, um ano após golpe de Moscou

<p>Fachada de uma casa em Sebastopol, Crimeia, exibe uma pintura do presidente russo, Vladimir Putin</p>

AFP - publicado em 27/02/15

Um ano após um comando pró-russo ocupar o Parlamento da Crimeia, primeiro passo antes de sua incorporação a Moscou, a antiga península ucraniana segue apoiando as autoridades russas, apesar de sua economia abalada, da escassez e de uma inflação galopante.

"Estou muito feliz por termos nos unido à Rússia, era nosso sonho há muito tempo", exclama Galina Tolmacheva, enfermeira. Há descontentamentos devido à queda dos salários por culpa da inflação, mas "o principal é que não exista guerra", disse.

Um comando pró-russo invadiu no dia 27 de fevereiro de 2014 o Parlamento da Crimeia, uma península que, antes de ser ucraniana, havia pertencido à Rússia até 1954, e forçou os deputados a votar a favor de um governo favorável a Moscou para a organização de um referendo sobre sua anexação à Rússia. Esta votação, em março de 2014, provocou fortes tensões com Kiev e também com os países ocidentais, que impuseram à Rússia sanções sem precedentes.

Estas sanções também se aplicam na Crimeia – agora russa – e a isolam economicamente, o que provocou a retirada de quase todas as empresas ocidentais que estavam instaladas ali.

Para compensar, Moscou prometeu investir bilhões de rublos na região e tentar favorecer sua abertura, construindo uma ponte que a unirá a sua nova pátria mãe.

Mas um ano depois do referendo os habitantes da península continuam isolados e sofrem cortes de eletricidade e água, serviços que até agora eram fornecidos por Kiev.

Desastre total

Com a escassez de bens de primeira necessidade e de medicamentos como a insulina, sem esquecer a inflação que quase dobrou o preço dos alimentos, a vida na Crimeia é "diferente da vida normal de uma pessoa comum", afirma o governador da península, Serguei Axionov, em uma entrevista à televisão russa.

O salário de um habitante da península raramente passa dos 10.000 rublos (142 euros), como é o caso dos músicos da Orquestra Filarmônica da Crimeia, conta seu antigo diretor, Igor Kazdan.

"É um desastre total, parece que a Rússia ainda não tomou o controle", afirma o diretor da Orquestra.

As autoridades locais estimam que as dificuldades econômicas da península são temporárias. Um otimismo que parece ser compartilhado com a população, 82% da qual segue apoiando a adesão da Crimeia à Rússia, segundo uma pesquisa publicada em fevereiro pelo instituto Gfk.

Estado policial

Mas outros preferiram deixar a Crimeia, como Alexandre Titov, de 22 anos, que desde outubro trabalha como programador de informática na Dinamarca.

"Não tinha vontade de viver em uma Crimeia russa", conta. No referendo, ele votou contra o "roubo" da península por parte da Rússia, um "estado policial".

Alexandre Titov forma parte dos poucos que votaram "não" em um referendo no qual 97% dos participantes escolheram o "sim", segundo o Kremlin, um resultado que não foi reconhecido por Kiev nem pelos países ocidentais.

Desde que no dia 18 de março de 2014 o presidente russo, Vladimir Putin, assinou o tratado de adesão, "reina uma atmosfera de medo na Crimeia", segundo Andrei Krisko, militante local pelos direitos humanos.

Quase todo dia Krisko recebe telefonemas denunciando prisões, incursões policiais, expulsões da Crimeia. Segundo ele, alguns habitantes são detidos por extremismo simplesmente por terem expressado seus sentimentos pró-Ucrânia.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
2
Pe. Robson de Oliveira
Reportagem local
Processo contra pe. Robson está arquivado definitivamente, notici...
3
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
4
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
5
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
6
ROSARY
Reportagem local
Exorcista alerta sobre os perigos de "falar" com os mortos
7
Jérôme Lejeune
Francisco Vêneto
Descobridor da Síndrome de Down está em processo de beatificação
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia