Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconAtualidade
line break icon

Grupo sírio reitera aliança com Al Qaeda em meio à guerra civil no país

<p>(Arquivo) Apoiadores da frente al Nosra durante protesto, no dia 26 de setembro de 2014, em Aleppo</p>

AFP - publicado em 10/03/15

Nesta segunda-feira, um dos principais grupos armados na Síria reafirmou sua adesão à Al Qaeda. Através de sua conta no Twitter, a Frente al Nosra desmentiu a intenção de abandonar a rede extremista para ganhar o apoio do Ocidente e dos países do Golfo.

Desde abril de 2013, avaliam especialistas, o braço da Al Qaeda na Síria ocupa uma posição dominante no noroeste do país, apesar de bombardeios realizados contra os jihadistas por meio da coalizão internacional encabeçada pelos Estados Unidos.

A ideia de uma ruptura entre Al Nosra e Al Qaeda apareceu no início de 2014, em Deir Ezor, no leste. Nesta província, a Al Nosra se aliou a facções da Frente Islâmica e do Exército Sírio Livre (ESL) contra os combatentes do Estado Islâmico (EI).

Estas facções, consideradas mais moderadas, contam com o apoio dos países ocidentais e das monarquias do Golfo.

Segundo o professor na Universidade de Edimburgo, Thomas Pierret, a ideia de ruptura "fracassou".

"As dinâmicas internas da Frente al Nosra, desde o verão de 2014, não apontam nem para a moderação, nem para a ruptura com a Al Qaeda", destacou Pierret.

O principal defensor dessa teoria era Abu Mariya al Qahtani, ex-mufti do grupo, conhecido por encarnar a ala "moderada" da Al Nosra. Após a derrota diante do EI em Deir Ezor, o mufti foi substituído pelo jordaniano Sami al Oraydi e, assim, a linha de ação do grupo foi endurecida.

Em meio a postagens nas redes sociais, ao longo das últimas semanas, a organização jihadista se viu na necessidade de publicar uma nota para desmentir os falsos rumores.

"A Frente al Nosra era e é a ponta de lança dos jihadistas na terra de Al Sham [Levante]", afirmou o grupo, que nega "qualquer informação sobre uma reunião com os serviços secretos do Catar e outros países, ou sobre uma busca de financiamento junto a qualquer país do Golfo", já que são contrários "aos princípios" da Al Nosra.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia