Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Arábia Saudita lidera operação militar contra rebeldes no Iêmen

<p>Civis e militares iemenitas observam local atingido por ataque aéreo saudita contra os rebeldes huthis perto do aeroporto de Sanaa</p>

AFP - publicado em 26/03/15

A Arábia Saudita, que lidera uma coalizão que envolve mais de 10 países e conta com o apoio logístico e de inteligência dos Estados Unidos, iniciou na quarta-feira uma operação militar no Iêmen contra os rebeldes huthis.

"A operação é para defender o governo legítimo do presidente Abd Rabbo Mansur Hadi", afirmou o embaixador saudita em Washington, Adel Al Jubeir.

Pouco depois do anúncio, Sanaa informou que a Arábia Saudita bombardeou posições rebeldes.

Pelo menos 13 pessoas morreram em um bairro residencial de Sanaa, atingido pelos bombardeios aéreos sauditas durante a noite, segundo uma fonte da Defesa Civil.

A aviação saudita bombardeou a base aérea de Al-Daylami e o aeroporto internacional da capital iemenita, assim como o complexo presidencial que está sob poder dos rebeldes desde janeiro.

Um incêndio foi registrado no palácio presidencial.

Forças leais ao presidente Abd Rabbo Mansur Hadi retomaram o controle do aeroporto internacional de Aden (sul), de onde os rebeldes huthis fugiram de maneira precipitada.

Os comitês populares, força paramilitar favorável ao presidente Hadi, controlam o aeroporto, segundo as forças de segurança.

O Egito confirmou confirmou que participa na coalizão e que pensa em "preparar a participação de uma força aérea e naval, além de uma força terrestre se for necessário", segundo um comunicado do ministério das Relações Exteriores publicado no Cairo.

"O Egito anuncia o apoio político e militar à ação da coalizão dos países que apoiam o governo legítimo do Iêmen", afirma a nota oficial.

A Jordânia também confirmou participação na intervenção militar no Iêmen contra as milícias xiitas huthis e os militares leais ao ex-presidente Ali Abdallah Saleh.

O governo do Irã, no entanto, condenou a intervenção militar árabe contra os rebeldes xiitas huthis e chamou a operação de "iniciativa perigosa que viola as responsabilidades internacionais e a soberania nacional".

"A ação militar vai complicar ainda mais a situação, aumentar a crise e acabar com as possibilidades de uma solução pacífica das divergências internas no Iêmen", afirmou a porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Marzieh Afkham.

A Casa Branca informou que os Estados Unidos estão coordenando estreitamente com os sauditas e seus aliados no Golfo as ações militares contra os rebeldes huthis no Iêmen.

"O presidente Obama autorizou o fornecimento de apoio logístico e de inteligência às operações militares do CCG" no Iêmen, disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Bernadette Meehan, se referindo ao Conselho de Cooperação do Golfo.

A porta-voz destacou que as forças americanas não atuam diretamente nas operações militares no Iêmen, apenas "estabeleceram uma Célula de Planejamento Conjunta com a Arábia Saudita para coordenar o apoio americano em matéria de inteligência militar".

A ação militar ocorre após Arábia Saudita Qatar, Kuwait, Barein e Emirados Árabes Unidos anunciarem a decisão de responder ao pedido de ajuda do presidente Hadi diante do avanço dos rebeldes sobre Aden, onde o líder está refugiado.

"Decidimos responder ao apelo do presidente Hadi para proteger o Iêmen e seu povo da agressão da milícia xiita huthi", acrescentou um alto funcionário.

Hadi fugiu para Aden no início de fevereiro, quando os rebeldes assumiram o controle da capital, Sanaa, com a suposta ajuda do Irã e do ex-presidente Ali Abdullah Saleh, deposto em 2012 após 33 anos de poder.

O chefe da diplomacia do Iêmen, Ryad Yassine, estimou nesta quarta-feira que a "queda de Aden nas mãos dos huthis marcaria o início de uma profunda guerra civil".

Forças aliadas aos rebeldes assumiram nesta quarta o controle do aeroporto internacional de Aden, acentuando a pressão sobre o presidente Hadi.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Livres de todo mal
O demônio tem mais poder à noite ou em determinada época do ano?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia