Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Cristãos perseguidos no mundo: sacerdote morto no Congo por denunciar criminalidade

© Walter ASTRADA / AFP
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Leste do país está nas mãos de bandidos violentos e bem armados

A República Democrática do Congo tem sofrido há anos a ação aterrorizante de pelo menos vinte grupos armados que guerreiam pelo controle da região leste do país. O relatório anual de 2014 sobre a liberdade religiosa no mundo, elaborado e publicado pela organização internacional humanitária Ajuda à Igreja que Sofre, destaca entre os casos de violência na região o sequestro de três sacerdotes da congregação dos assuncionistas, ocorrido na cidade de Beni, em Kivu do Norte, e atribuído aos militantes do grupo rebelde ADF-NALU, baseado em Uganda e de inspiração islâmica extremista.

É frequente a violência cometida por criminosos fortemente armados contra vilarejos do leste da República Democrática do Congo, onde o Estado é praticamente ausente e milhares de moradores ficam à mercê dos bandidos. O bispo da diocese de Goma, dom Théophile Kaboy, denuncia que a presença da Igreja nessa região incomoda muito as organizações criminosas. Ele destaca, em particular, o papel da paróquia de Mweso, que faz parte da sua diocese e que tem a fama de se levantar abertamente contra a ação dos grupos armados.

Foi em Mweso, de fato, que aconteceu um dos mais recentes atentados com vítimas religiosas: o pároco Jean-Paul Kakule, de 33 anos, tesoureiro da paróquia, foi assassinado no dia 25 de fevereiro enquanto fechava a igreja no final da tarde. O crime permanece impune e é altamente improvável que os assassinos sejam identificados. Enquanto isso, a Igreja continua sendo um das poucas vozes, se não a única, que ainda se alça em defesa daquela população esquecida pelo resto do mundo.

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições