Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Número de palestinos mortos em 2014 foi o maior desde 1967

O premier palestino, Rami Hamdallah

Compartilhar

O número de civis palestinos mortos durante confrontos com Israel alcançou em 2014 um nível sem precedentes desde a Guerra dos Seis Dias, de junho de 1967, afirma um relatório da ONU publicado nesta quinta-feira.

"2014 deixou o pior balanço de perdas civis entre os palestinos desde 1967 devido, sobretudo, aos mortos durante a operação "Barreira de Proteção" lançada no verão pelo exército israelense na Faixa de Gaza.

Durante a operação, "mais de 1.500 civis foram mortos, 11.000 ficaram feridos e 100.000 deslocados", segundo o relatório anual do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU.

No total, 2.200 palestinos foram mortos na Faixa de Gaza, incluindo combatentes e 550 crianças, segundo o documento que tem como título "Vidas fragmentadas". Do lado israelense, 73 pessoas morreram, incluindo 67 soldados.

Na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém, 58 palestinos morreram e 6.028 ficaram feridos em 2014, enquanto 12 israelenses foram mortos no mesmo período. O número de palestinos detidos "por razões de segurança" aumentou 24%, a 5.258 de média mensal, ano passado.

O documento denuncia também a expansão das colônias israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental e explica que nestas áreas 1.215 palestinos foram expulsos de seus lares, o número mais alto desde 2008, quando o OCHA começou a fazer este balanço.