Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Julho |
Santos Abdon e Sénen
home iconAtualidade
line break icon

Elas são mulheres e não querem o modelo imposto pelo feminismo radical

Andy Dean Photography

Aleteia Brasil - publicado em 31/03/15

Organizações de 47 países pedem que a ONU valorize a dignidade do papel materno

As associações europeias Profesionales por la Ética (da Espanha), Femina Europa (da França), Woman Attitude (da Bélgica) e Istituto per gli Studi Superiori della Donna (da Itália), com o apoio de mais 148 ONGs de 47 países, apresentaram à ONU a declaração "Women of the World" ["Mulheres do Mundo Inteiro"], na qual pedem mais ênfase para 5 prioridades:

1 – Valorização e restauração da dignidade do papel materno da mulher;

2 – Combate à discriminação sofrida pelas mulheres no local de trabalho por causa da maternidade;

3 – Combate à violência e à exploração da mulher;

4 – Políticas eficazes para conciliar trabalho e maternidade;

5 – Proibição da "barriga de aluguel", entendida como "violação da dignidade da mãe de aluguel e do bebê".

O manifesto "Women of the World" já foi apresentado à União Europeia no dia 3 de março. Elenor Tamayo, da Profesionales por la Ética, afirmou que "até agora, a ideologia de gênero e o feminismo radical tentaram monopolizar a voz das mulheres. Isso precisa parar. Chegou a vez das mulheres que falam como mulheres. Não aceitamos que instituições internacionais apliquem políticas que ignoram, combatem ou eliminam a identidade da mulher”.

A espanhola declara que a intenção da declaração é "fazer as instituições internacionais saberem o que nós, mulheres do mundo, realmente queremos".

O texto "Women of the World" foi apresentado em Nova Iorque no simpósio "Mulher, Família e Desenvolvimento Sustentável", organizado por institutos de planejamento familiar e direitos femininos na América Latina, em 17 de março, e na "Conferência Pequim+20 – Mudanças do Milênio", em 19 de março

A representante da Profesionales por la Ética e promotora do projeto "Mãe, mulher e profissional", Luisa Peña, espera muitas outras organizações apoiem a declaração e superem a "ideologia estéril que sacrifica a identidade sexual no altar de uma homologação que ofende mulheres e homens".

Tags:
feminismoIdeologia de GêneroMaternidadeMulher
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia