Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sábado 02 Março |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Elas são mulheres e não querem o modelo imposto pelo feminismo radical

Hispanic Mother, Father and Daughter – pt

Andy Dean Photography

Aleteia Brasil - publicado em 31/03/15

Organizações de 47 países pedem que a ONU valorize a dignidade do papel materno

As associações europeias Profesionales por la Ética (da Espanha), Femina Europa (da França), Woman Attitude (da Bélgica) e Istituto per gli Studi Superiori della Donna (da Itália), com o apoio de mais 148 ONGs de 47 países, apresentaram à ONU a declaração "Women of the World" ["Mulheres do Mundo Inteiro"], na qual pedem mais ênfase para 5 prioridades:

1 – Valorização e restauração da dignidade do papel materno da mulher;

2 – Combate à discriminação sofrida pelas mulheres no local de trabalho por causa da maternidade;

3 – Combate à violência e à exploração da mulher;

4 – Políticas eficazes para conciliar trabalho e maternidade;

5 – Proibição da "barriga de aluguel", entendida como "violação da dignidade da mãe de aluguel e do bebê".

O manifesto "Women of the World" já foi apresentado à União Europeia no dia 3 de março. Elenor Tamayo, da Profesionales por la Ética, afirmou que "até agora, a ideologia de gênero e o feminismo radical tentaram monopolizar a voz das mulheres. Isso precisa parar. Chegou a vez das mulheres que falam como mulheres. Não aceitamos que instituições internacionais apliquem políticas que ignoram, combatem ou eliminam a identidade da mulher”.

A espanhola declara que a intenção da declaração é "fazer as instituições internacionais saberem o que nós, mulheres do mundo, realmente queremos".

O texto "Women of the World" foi apresentado em Nova Iorque no simpósio "Mulher, Família e Desenvolvimento Sustentável", organizado por institutos de planejamento familiar e direitos femininos na América Latina, em 17 de março, e na "Conferência Pequim+20 – Mudanças do Milênio", em 19 de março

A representante da Profesionales por la Ética e promotora do projeto "Mãe, mulher e profissional", Luisa Peña, espera muitas outras organizações apoiem a declaração e superem a "ideologia estéril que sacrifica a identidade sexual no altar de uma homologação que ofende mulheres e homens".

Tags:
feminismoIdeologia de GêneroMaternidadeMulher
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia