Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 23 Julho |
Bem-aventurada Joana de Orvieto
home iconAtualidade
line break icon

Potências prolongam negociações nucleares com o Irã

<p>O ministro iraniano das Relações Exteriores Mohammad Javad Zarif, em Lausanne, no dia 27 de março de 2015</p>

AFP - publicado em 02/04/15

As negociações para evitar que o Irã produza a bomba nuclear entraram em uma nova fase decisiva nesta quarta-feira, com alguns avanços, mas com vários obstáculos para alcançar um acordo.

Depois do fim do prazo, fixado para a meia-noite de terça-feira, para estabelecer os princípios do que os negociadores esperam que seja um acordo histórico, a maratona de reuniões em Lausanne (Suíça) foi interrompida por algumas horas durante a noite.

O chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif, pediu nesta quarta às grandes potências que "aproveitem o momento" para concluir um acordo sobre o programa nuclear de seu país, ressaltando que esta ocasião pode não se repetir.

"Chegou o momento de nossos parceiros nessas negociações aproveitarem o momento e a oportunidade (de um acordo) que pode não se repetir", declarou Zarif à imprensa, num momento em que as discussões se arrastam há uma semana em Lausanne.

Nas últimas horas, vários diplomatas ocidentais também exortaram o Irã a "tomar decisões".

Apesar da impaciência que começa a reinar, o secretário de Estado americano, John Kerry, garantiu que ficará em Lausanne pelo menos até a manhã de quinta-feira para continuar as negociações.

Por sua vez, o chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, disse, ao retornar à cidade suíça, que as negociações "estão nos últimos metros, antes da linha de chegada, que são os mais difíceis".

"O que está em jogo é muito importante porque se trata da luta contra a proliferação nuclear e, de uma certa forma, da reintegração do Irã na comunidade internacional", reforçou Fabius.

Ele afirmou que a França apoia um acordo "robusto e verificável".

Fabius tinha deixado Lausanne ao amanhecer desta quarta-feira para participar do Conselho de Ministros, em Paris, e havia advertido que só retornaria se fosse "útil".

Pontos de atrito

As discussões estão emperradas em três pontos-chave: a duração do acordo, o fim das sanções da ONU e o mecanismo de garantia e controle.

No ponto que diz respeito à duração do acordo, as grandes potências desejam um quadro estrito de controle das atividade nucleares iranianas por ao menos 15 anos, mas o Irã não quer se comprometer além de 10 anos.

Na questão da retirada das sanções da ONU, os iranianos querem o fim de todas as penalidades econômicas e diplomáticas, consideradas humilhantes, assim que o acordo for assinado, mas as grandes potências desejam uma retirada gradual dessas medidas ligadas à proliferação nuclear e adotadas a partir de 2006 pelo Conselho de Segurança da ONU.

Em caso de retirada de algumas dessas sanções, certos países do 5+1 querem um outro mecanismo que permitiria reimpor rapidamente as punições em caso de descumprimento por Teerã de seus compromissos.

Cacofonia

Neste contexto, uma cerca cacofonia parece reinar.

O chefe dos negociadores sobre o programa nuclear do Irã, Abbas Araghchi, afirmou que ainda existem problemas.

Em uma entrevista ao canal estatal iraniano, Araghchi explicou o que trava as negociações.

"Até que tenhamos soluções para todos os problemas não podemos chegar a um acordo completo", afirmou, antes de mencionar que os principais pontos bloqueados são os relativos às sanções e à pesquisa e desenvolvimento nuclear.

Araghchi destacou que durante a tarde um comunicado conjunto deve ser divulgado para explicar os avanços dos últimos dias.

"Conseguimos avanços importantes nos últimos dias, mas lentamente", disse o ministro britânico das Relações Exteriores, Philip Hammond, que afirmou "cruzar os dedos" por um sucesso nas negociações, que segundo ele registraram avanços "notórios".

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, afirmou à imprensa russa que as grandes potências chegaram a um "acordo de princípio sobre todos os aspectos-chave do acordo final".

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia