Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Aviação queniana bombardeia campos dos insurgentes shebab na Somália

<p>Membros da Cruz Vermelha socorrem parente de uma das vítimas, no dia 3 de abril de 2015, após atentado na Universidade de Garissa, no Quênia</p>

AFP - publicado em 06/04/15

A aviação militar queniana bombardeou nesta segunda-feira dois campos dos insurgentes shebab no sul da Somália, informou o exército, quatro dias depois de um ataque dos jihadistas que terminou com 148 mortos em uma universidade do Quênia.

"Bombardeamos dois campos dos shebab na região de Gedo", declarou à AFP o porta-voz do exército queniano, David Obonyo.

"Os dois objetivos foram atingidos eliminados. Os dois campos foram destruídos".

O bombardeio aconteceu depois que o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, anunciou que responderia "com o maior rigor" aos shebab por seu ataque na quinta-feira em uma universidade de Garissa, leste do Quênia.

As autoridades não divulgaram um balanço de vítimas nos ataques contra os campos dos insurgentes.

Homens armados do grupo shebab atacaram a universidade de Garissa na quinta-feira à noite, no momento que os estudantes dormiam, antes de separar os alunos não muçulmanos, que foram executados, o que Kenyatta chamou de "bárbara matança medieval".

O massacre terminou com as mortes de 142 estudantes, três policiais e três soldados.

Desde que o Quênia decidiu entrar na Somália em 2011 para lutar contra os insurgentes islamitas, o país executou vários bombardeios contra as bases dos shebab. Mais tarde, as tropas de Nairóbi se integraram às forças da União Africana para lutar contra os islamitas.

"Os bombardeios integram um processo e um compromisso contínuos contra o Al-Shebab, que vai continuar", disse Obonyo.

Os shebab fugiram de suas bases, em Mogadíscio, capital da Somália, em 2011, na luta contra as forças da União Africana, integradas por tropas de Burundi, Djibuti, Etiópia, Quênia e Uganda.

No sábado, os shebab advertiram para uma "guerra longa e espantosa" caso o Quênia não retire as tropas da Somália. Eles ameaçaram com "outro banho de sangue".

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia