Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Justiça indonésia rejeita recursos de condenados à morte

<p>Advogado de defesa australiano (à direita) e promotor indonésio ouvem instruções durante audiência pelo julgamento de dois australianos condenados à morte por tráfico de drogas, na Corte Estadual de Jacarta, nesta segunda-feira, 6 de abril de 2015</p>

AFP - publicado em 06/04/15

Um tribunal da Indonésia rejeitou nesta segunda-feira a apelação de dois australianos condenados à morte por tráfico de drogas, o que abre o caminho para a execução de ambos, ao lado de outras nove pessoas, incluindo o brasileiro Rodrigo Gularte.

Os advogados anunciaram que pretendem levar o caso dos australianos à Corte Constitucional, o que levou o procurador-geral da Indonésia, Muhammad Prasetyio, a acusá-los de "brincar com a justiça".

Prasetyio afirmou que os dois australianos já esgotaram todos os recursos legais para evitar o pelotão de fuzilamento.

"O processo legal já terminou e os advogados estão simplesmente tentando ganhar tempo. Podemos dizer que estão brincando com a justiça", disse Prasetyio, para quem a nova demanda não adiará a execução.

Nesta segunda-feira, o tribunal administrativo do estado de Jacarta rejeitou os recursos dos advogados de Andrew Chan e Myuran Sujumaran, apresentados depois que o presidente da Indonésia, Joko Widodo, se negou a conceder um indulto.

"Os recursos foram rejeitados", afirmou o presidente do tribunal, Ujang Abdullah, confirmando assim uma decisão de primeira instância.

O tribunal se declarou incompetente para pronunciar-se sobre recurso inusual, apresentado contra a recusa do presidente de conceder o indulto.

A corte considerou que a medida é uma prerrogativa exclusivamente presidencial, explicou Ujang Abdullah.

Os advogados, que batalham há vários anos para impedir a execução de seus clientes, alegaram que ao rejeitar o pedido de indulto, o presidente não havia avaliado de maneira adequada o caso nem fundamentado sua decisão.

"Isto ainda não terminou", declarou Leonard Aritonang, um dos advogados dos australianos, ao tomar conhecimento da decisão do tribunal.

Aritonang anunciou que apresentará um recurso à Corte Constitucional com o objetivo de revisar as leis de indulto presidencial.

A ministra australiana das Relações Exteriores, Julie Bishop, afirmou que o país continuará "utilizando todas as opções diplomáticas para tentar obter uma suspensão" das execuções.

Andrew Chan e Myuran Sukumaran, líderes do grupo de narcotraficantes "Nove de Bali", foram condenados à morte em 2006 por tentativa de entrar com heroína na Indonésia.

Os dois australianos integram um grupo de 11 estrangeiros condenados à pena capital por tráfico de drogas, que inclui cidadãos do Brasil, França, Filipinas, Nigéria e Gana.

Entre os condenados à morte está o brasileiro Rodrigo Gularte, de 42 anos, que segundo sua família sofre de transtornos mentais. Ele apresentou um pedido de clemência ao presidente, que também foi rejeitado.

As autoridades da Indonésia anunciaram que pretendem esperar que todos os condenados esgotem as possibilidades de recursos legais antes da execução.

A Promotoria mantém o objetivo de executar os 11 condenados à morte ao mesmo tempo, apesar das pressões estrangeiras, afirmou há alguns dias o porta-voz da justiça, Tony Spontana.

Entre os condenados, uma filipina, um francês e um ganense apresentaram recursos à Suprema Corte, que pode demorar semanas para anunciar uma decisão.

A Austrália, próxima da Indonésia e um aliado importante, iniciou uma campanha diplomática há vários meses para impedir a execução de seus cidadãos.

França e Brasil também intensificaram a pressão diplomática sobre o governo da Indonésia.

Em fevereiro, a presidente Dilma Rousseff se negou a receber as credenciais do novo embaixador indonésio após o fuzilamento do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira em 18 de janeiro.

Widodo, que assumiu a presidência em outubro, rejeitou até o momento dos os pedidos de indulto dos condenados à morte por narcotráfico, demonstrando uma inflexibilidade total com este tipo de crime.

Pela primeira vez desde 2013, a Indonésia executou, em 18 de janeiro, seis condenados à morte, incluindo cinco estrangeiros, entre eles o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia