Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 24 Novembro |
Santas Flora e Maria
home iconEstilo de vida
line break icon

Meus filhos cresceram e foram embora de casa... E agora?

Luis García S-cc

LaFamilia.info - publicado em 14/04/15

O que fazer diante da “síndrome do ninho vazio” ou quando a emancipação dos filhos é dolorosa

A emancipação dos filhos não precisa ser vista como um evento negativo ou com uma sensação de frustração. O tempo agora pode ser dedicado a curtir a vida de casal e aquelas atividades que foram adiadas ao longo da criação dos filhos.

Por que algo natural e previsível, como a partida dos filhos, acaba sendo traumática para os pais, que, ao invés de se sentirem satisfeitos diante do dever cumprido, acabam se sentindo sozinhos, vazios e desprogramados, como se seu projeto de vida tivesse chegado ao fim?

A denominação “síndrome do ninho vazio” se refere a um fenômeno recente que descreve essa realidade de pais solitários, com frequência ainda jovens, que veem seus filhos irem embora do lar e se encontram um frente ao outro como seres descartados pela vida.

Um problema ou uma oportunidade?

A resposta a esta inquietude não é simples. Cada família vive esta realidade de maneira diferente e, enquanto alguns casais enfrentam esta etapa como um período de maturidade e plenitude, outros sentem que é hora de recomeçar, porque o que foi construído até então parece ter ido por água abaixo.

Há aqueles que destroem o ninho e, com ele, a relação matrimonial, alegando que, com a partida dos filhos, a responsabilidade acabou e ficaram livres de ataduras que só eram toleradas para não atrapalhar a educação dos pequenos.

Um ponto de vista positivo: o casamento é uma realidade dinâmica. Começa com um período de ajustes, que vai construindo um estilo familiar e uma relação de casal cada vez mais madura e estável; depois chega a fase da educação dos filhos, que transforma o ninho de amor em um ambiente educativo.

Durante esse lapso que vai do casamento até a missão de ser pais, que continua com a chegada à idade adulta do primeiro filho, não são somente os filhos que amadurecem, mas também os pais, em aspectos como a relação esponsal, parental, o crescimento físico, psíquico, espiritual, profissional etc.

Dessa maneira, uma vez terminada a criação dos filhos, os esposos são pessoas melhores, profissionais melhores, amigos melhores, filhos de Deus melhores.

Com a partida dos filhos, começa uma nova etapa do dinamismo familiar, na qual se colhem frutos e se ganha tempo para curtir, como casal, muitas atividades que precisaram ser adiadas frente a tarefas mais importantes e urgentes do período anterior.

Um ponto de vista negativo: partindo dessa ótica, o amor dos esposos, realidade fundante e suporte básico da família, foi cedendo espaço para o amor filial que, com o passar dos anos, tornou-se o único, ainda que frágil, alicerce da união familiar.

Aqui, tanto a mãe quanto o pai acabam vendo no filho a máxima aspiração do seu projeto matrimonial, e seu amor a ele como o mais perfeito e desinteressado amor humano – em detrimento da relação de casal.

É principalmente neste tipo de família que a emancipação dos filhos é vista de forma negativa, porque ela parece deixar um vazio de validez e motivação nos esposos, que, a essa altura, acaba se vendo como sócios de uma empresa que os distraiu desse outro fim matrimonial, esquecido ou pelo menos imperfeitamente assumido: a ajuda e o crescimento mútuo.

O ninho vazio não é a etapa final no ciclo natural da família. Muito pelo contrário: é o início de uma nova fase, na qual um amor maduro permite uma convivência conjugal serena, cheia de esperança e enriquecida pela gratidão de filhos que continuarão se nutrindo indefinidamente do amor dos seus pais.

Tags:
CasamentoFilhosPaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Medalha de São Bento
pildorasdefe.net
Oração a São Bento para afastar o mal e pedir...
Reportagem local
Oração para afastar o mal de um recinto
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
pildorasdefe.net
Por que você não vai para frente? Talvez este...
AGNUS DEI,LAMB
Jesús Colina
Ninguém consegue ouvir este “Agnus Dei” sem s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia