Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 30 Novembro |
Santo André
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Por que o mundo LGBT passou a negar a existência da teoria do gênero?

Ideologia de gênero

© Public Domain

Unione Cristiani Cattolici Razionali - publicado em 24/04/15

Há uma “necessidade urgente” da sociedade atual de fugir de si mesma

O chamado “mundo LGBT” tem tido uma nova prioridade: negar a todo custo a existência da teoria de gênero.

Devemos reconhecer que, na verdade, eles nunca definiram as suas ideias como uma "teoria" propriamente dita, mas é legítimo usar esse termo porque o corpo de ideias que eles defendem pode ser enunciado a partir de duas convicções específicas.

A primeira declaração da teoria de gênero é que existiria uma sexualidade específica (ou "dado biológico") e um gênero distinto (ou "dado psicológico"). Ou seja: um ser humano pode ser masculino-homem ou feminino-mulher quando há coincidência entre o sexo biológico e o gênero; mas também poderia ser masculino-mulher ou feminino-homem, no caso em que o sexo biológico e o gênero não coincidem. Tudo isso é apresentado como "normal", palavra insistentemente presente na terminologia LGBT.

A segunda afirmação da teoria de gênero é que seria possível escolher de forma autônoma o gênero “preferido” (ou “sentido”), prescindindo do fato biológico. Teria sido a sociedade quem nos impôs os gêneros identificados à força com o dado biológico. A partir de agora, porém, deveríamos ficar cientes de que as crianças podem crescer “livres” desses “estereótipos” e ter a oportunidade de decidir “livremente” o seu gênero, mediante uma educação que não fizesse distinções entre meninos e meninas.

Estas afirmações fazem parte de uma teoria complexa que procura legitimar a “sexualidade mutável” ou “líquida” em nome de uma “autonomia sexual” que permita a cada um escolher a própria identidade sexual (com ou sem cirurgia de mudança de sexo).

Uma parcela relevante da ciência médica, no entanto, enxerga estas crenças como uma patologia mental, definindo o transexualismo como um "transtorno de identidade de gênero" no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais e explicando-o como "o desejo persistente das características físicas e dos papéis sociais que conotam o sexo biológico oposto". De acordo com o manual, portanto, existe apenas o sexo biológico; desejar ser diferente daquilo que naturalmente se é seria sintoma de um distúrbio mais profundo.

O chamado “mundo LGBT” percebeu que a sociedade identifica as suas convicções com uma "teoria", o que torna mais difícil entrar nas escolas e incutir tais ideias na sociedade futura. Assim, as associações homossexuais parecem ter mudado de estratégia e agora passam a acusar o Vaticano de ter inventado a existência da teoria de gênero.

É curioso, porém, que, mesmo negando a existência da teoria como tal, os expoentes das convicções LGBT continuam afirmando o seu conteúdo. Um exemplo marcante é o da filósofa Chiara Lalli, que passou a afirmar que a alma não existe, que o instinto materno não é uma característica feminina natural e inata e que abortar é “normal” (de novo esta palavra tão em voga). É uma posição ideológica que se revela imediatamente, por mais que a filósofa esteja empenhada em negar a existência da teoria de gênero e tachá-la de "um inimigo que imaginaram ou construíram".

O caso é que Lalli, ao negar a existência da teoria de gênero, descreve exatamente… a teoria de gênero! Ela apresenta o conteúdo da teoria sem chamá-la de teoria, sustentando-a como se fosse verdade científica. A biologia, segundo ela, não nos divide em masculino e feminino: “Há muitas possibilidades intermediárias”, como o hermafroditismo, a síndrome de Morris, a síndrome de Swyer, a síndrome de Turner e a síndrome de Klinefelter. A questão é que não se trata de "possibilidades intermediárias" entre o masculino e o feminino, mas sim de patologias genéticas, conforme indicado pelo termo "síndrome", sendo algumas delas relacionadas especificamente ao sistema reprodutivo. Uma patologia não é uma “possibilidade intermediária”.


Depois dessa tentativa de demonstrar que até a sexualidade biológica seria “líquida”, Lalli procurou também teorizar a existência do gênero sexual como diferente da sexualidade biológica: "É possível ser do sexo masculino e ter uma identidade sexual masculina ou feminina (ou ambígua, oscilante, mutante). Nada disso é inerentemente patológico ou errado, e, acima de tudo, aquilo que é ‘feminino’ ou ‘masculino’ é profundamente determinado culturalmente, tanto que os papéis masculinos e femininos mudam no tempo e no espaço". Em resumo, Chiara Lalli definiu claramente em que consiste a "teoria do gênero", muito embora não queira chamá-la de teoria (além do mais, ela contraditoriamente tenta defender o relativismo apelando para adjetivos como "certo" e "errado").

Por ironia, esta explicação oferecida por ela coincide com a que foi dada por Bento XVI, em 2012, quando ele disse: "De acordo com a filosofia do gênero, o sexo não é mais um fato original da natureza, que o homem deve aceitar e preencher pessoalmente de sentido, mas sim um papel social que se decide de forma autônoma e que, até agora, teria sido decidido pela sociedade. O profundamente errôneo desta teoria e da revolução antropológica subjacente a ela é evidente. O homem contesta uma natureza pré-constituída pela sua corporeidade, que caracteriza o ser humano. Nega a própria natureza e decide que ela não lhe é dada como um fato pré-constituído, mas que é ele próprio quem a cria. Não é mais Deus quem nos criou homens e mulheres, mas a sociedade quem teria nos determinado; e, agora, nós mesmos é que decidiríamos sobre isto".

A Enciclopédia Treccani diz o seguinte sobre a teoria do gênero: "A cultura ‘gender’ leva à ideia de que a diferença entre masculino e feminino não coincide necessariamente com a diferença entre macho e fêmea, porque as características de gênero (ou estereótipos) seriam resultado de uma construção cultural. O contraste entre sexo e gênero marca a transição da visão unitária da identidade sexual de um indivíduo – que, a partir da consciência de uma corporeidade masculina ou feminina, desenvolve gradualmente uma identidade psíquica definida (masculinidade ou feminilidade) – a uma visão dualista da sexualidade, não só distinguindo, mas separando os elementos biológicos da identidade sexual (sexo) do complexo de papéis, funções e identidades apreendidos e culturalmente estruturados (feminilidade e masculinidade). Emerge, assim, uma concepção autônoma do pertencimento a um gênero, concebida como o resultado de uma escolha cultural do indivíduo, distinta da sua corporeidade".

A enciclopédia prossegue: "A perspectiva de gênero coloca em discussão o fundamento biológico-natural da diferença entre os sexos: feminilidade, masculinidade, heterossexualidade e maternidade não são mais considerados estados naturais, mas estados ‘culturais’, que não são definitivos nem determinantes. Em outras palavras, a utilização do termo ‘gênero’ em vez do termo ‘sexo’ abre a possibilidade de não mais se definir a pessoa a partir da sua estrutura biológica (corpo), podendo-se defini-la de acordo com a sua ‘autocompreensão’ psicossocial. Segue-se disto que a identificação exclusiva da pessoa como gênero, e não como ser sexuado a partir de uma corporeidade, leva à neutralização da identidade sexuada. A pessoa, assim, não é mais valorizada na sua individualidade sexuada, no seu ser-homem ou ser-mulher, mas achatada numa indiferença em que homens e mulheres são percebidos como simplesmente ‘iguais’, com todas as diferenças biológicas, de papel e de caracteres anuladas, esquecendo-se do significado essencial da bipolaridade sexual e da sua estrutura objetiva". Há, portanto, um indício da origem da teoria de gênero na ideologia comunista.

“A realização da identidade sexuada do indivíduo”, complementa a enciclopédia, “que se manifesta no seu ser-homem ou ser-mulher e que se explicita nas finalidades da sexualidade (a reprodução e a continuidade entre as gerações), pressupõe necessariamente uma dimensão corpórea definida, com base na qual o sujeito possa desenvolver uma identidade psíquica, perceber o valor da diversidade sexual e lidar com ela”.

O papa Francisco tem deslegitimado corajosamente essa teoria pseudocientífica perante o mundo inteiro, inclusive incentivando os defensores dessas visões de mundo a se amarem tais como foram criados e a refletirem sobre os porquês desta “necessidade urgente” da sociedade atual de fugir de si mesma.

Tags:
Ideologia de GêneroSexualidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia