Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 27 Fevereiro |
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

A barbárie insiste, mas a civilidade ganha cada vez mais espaço nos estádios de futebol

Casal GreNal

Carol Artesanato

Aleteia Vaticano - publicado em 04/05/15

Iniciativa "Gre-Nal da Paz" segue em frente com sucesso apesar dos vândalos

A rivalidade histórica entre os clubes gaúchos Internacional e Grêmio é costumeiramente apontada como a mais acirrada do Brasil, por literalmente dividir o Rio Grande do Sul em duas metades adversárias. No entanto, uma iniciativa em prol da paz vem se mostrando viável e frutífera no Estado, além de chamar a atenção dos torcedores de futebol das outras regiões do Brasil: a chamada "área de torcida mista", que reúne torcedores colorados e gremistas em um mesmo espaço dentro do estádio durante partidas do clássico "Gre-Nal", tanto no Beira-Rio, estádio do Inter, quanto na Arena do Grêmio.

A iniciativa já foi posta em prática três vezes neste ano, sempre com sucesso. Na primeira edição, o diretor de administração do Internacional, Alexandre Limeira, declarou: "Queremos mudar o perfil. Não são os vândalos e os brigões que estarão no estádio, e sim as pessoas que entendem que um rival não é inimigo. Não é quantidade: vamos melhorar a qualidade do torcedor que frequentará o estádio (…) A minoria que brigava estava ditando o ritmo. Vamos mudar isso. É uma lição de convivência e tolerância, algo educacional para os próximos clássicos".

Luis Moreira, diretor de administração do Grêmio, concordou: "Nos últimos anos, vimos Gre-Nais no interior e no Uruguai com colorados e gremistas lado a lado, sem problema algum. A maioria das pessoas é de bem. O intuito no clássico é de torcer, não de brigar".

Apesar do sucesso da iniciativa civilizatória, minorias de vândalos pertencentes a torcidas organizadas de ambos os times insistem na estupidez e na violência. No Gre-Nal deste domingo, que valia o Campeonato Gaúcho de 2015 e foi vencido pelo Internacional por 2×1, parte da torcida gremista quebrou 215 cadeiras do Beira-Rio depois da partida, além de destruir banheiros e cometer outros atos de vandalismo. Cada cadeira custa R$ 400,00. O prejuízo de R$ 86 mil será pago pelo Grêmio. Além se mostrar selvagem e má perdedora, portanto, a pequena parcela de criminosos infiltrados entre os torcedores ainda se mostra estúpida, causando prejuízo ao próprio clube.

Na contramão da barbárie, porém, a torcida mista continuará dando um testemunho inspirador de civilidade, evolução e autêntico espírito esportivo.

Tags:
EsportePazViolência
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia