Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Cenários para as eleições britânicas

Gráfico com dados socioeconômicos da Grã-Bretanha

Compartilhar

Os britânicos votavam nesta quinta-feira para definir o novo Parlamento, do qual sairá o governo, e o resultado é o mais incerto das últimas décadas.

Seguem abaixo possíveis cenários para o governo britânico:

1) Um governo com maioria absoluta

Não há dúvida de que o próximo primeiro-ministro será o trabalhista Ed Miliband ou o conservador David Cameron. A maneira mais fácil, mas a mais improvável, segundo as pesquisas, seria conquistar maioria absoluta, o que representa 326 cadeiras ou mais das 650 da Câmara dos Comuns. Dezesseis dos 18 governos da Grã-Bretanha desde a Segunda Guerra Mundial foram formados como governos de maioria. O atual governo de coalizão de Cameron, entre conservadores e liberal-democratas, foi a segunda exceção, depois do governo de unidade da Segunda Guerra Mundial.

2) Governo de coalizão

Uma coalizão seria a segunda possibilidade para um governo estável. Um dos dois grandes partidos, Conservador ou Trabalhistas, chegaria a um acordo formal com um partido menor ou vários, como os liberais. O número total de cadeiras da coalizão teria que somar 326 ou mais. Os conservadores de Cameron estão em um governo de coalizão com os liberal-democratas desde 2010. Mas o acordo criou problemas para os dois lados e uma repetição é pouco provável.

3) Em minoria

Se nenhum partido conquistar uma clara maioria e sem um acordo de coalizão, conservadores ou trabalhistas poderiam tentar formar um governo de minoria com de 326 deputados e alcançar acordos pontuais para aprovar cada lei.

O partido antieuropeu UKIP e os unionistas norte-irlandeses aparecem como os sócios mais prováveis dos conservadores em um cenário assim. O Partido Nacional Escocês, que deseja a independência da Escócia, é pressionando para um acordo deste tipo com s trabalhistas. Caso tanto conservadores como trabalhistas apareçam em posição de governar desta maneira, os dois partidos teriam que debater e definir aquele que teria mais probabilidades de sobrevive no governo. O primeiro grande teste de confiança para o governo minoritário seria o discurso da rainha, previsto para 27 de maio, quando o Parlamento debate o programa legislativo do novo governo e vota sobre o mesmo.

4) Novas eleições

Um governo de minoria poderia ter problemas para obter apoios e, inclusive, poderia cair em uma moção de censura. Uma opção para o primeiro-ministro seria convocar novas eleições rapidamente para assegurar uma clara maioria. Caso isto aconteça, a Grã-Bretanha teria duas eleições gerais em um ano pela primeira vez desde 1974.

jk-kah-al.zm/fp