Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Justiça francesa investigará acusações de estupro contra militares

(2014) Soldados franceses fazem uma patrulha na cidade centro-africana de Bangui

Compartilhar

Os juízes de instrução franceses irão investigar as acusações de estupro de crianças por soldados franceses na República Centro-Africana, anunciou nesta quinta-feira a Procuradoria de Paris.

Quatorze soldados franceses estariam envolvidos, incluindo três identificados, segundo os testemunhos de seis crianças com entre 9 e 13 anos reunidos em um relatório da ONU de 2014.

A investigação criminal foi aberta "contra pessoas não nomeadas por violação de menores" cometidas por "pessoas que abusam da autoridade conferida por suas funções e por cumplicidade deste crime", informou o procurador François Molins em um comunicado.

Depois de ser acionado pelo ministério da Defesa, o Ministério Público abriu uma investigação preliminar no final de julho de 2014. Nesta ocasião, nenhum militar ou criança foi ouvido como parte desta investigação.

Em seu comunicado, a procuradoria explica que primeiro queria ouvir a funcionária da ONU que redigiu o relatório, mas o pedido de retirada da imunidade necessário para tal audição foi negado pela ONU. A funcionária finalmente respondeu, por escrito, ao pedido e se apresentou em 29 de abril, de acordo com a procuradoria.

O relatório da ONU documenta os depoimentos de seis crianças com idades entre 9 a 13 anos que relataram abusos sexuais cometidos por soldados franceses da operação Sangaris no acampamento do aeroporto de M’Poko, em Bangui, entre o final de 2013 e junho de 2014.

O caso foi revelado pelo jornal britânico The Guardian na semana passada. A ONU e o ministério da Defesa, defenderam-se de tentar encobrir o escândalo.

"Se alguém sujou a bandeira, porque isso é o que aconteceu, deve dizê-lo agora, pois está traindo seus companheiros, a imagem da França e a missão dos exércitos", declarou o ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian,.

O ministro evocou uma "investigação complexa", ressaltando que "uma vez cometido esses crimes, a maioria dos soldados deixaram o palco dessas operações".