Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

É pior "sentir-se" feliz ou "sentir-se" livre?

HarperCollins

Aleteia Vaticano - publicado em 11/05/15

"Admirável Mundo Novo" x "A Ilha": qual "sociedade perfeita" é mais falsa?

O escritor inglês Aldous Huxley imaginou, com grande talento e inquietante verossimilhança, um Estado que regula as relações sociais não para garantir que todos sejam livres, mas exatamente para o contrário: garantir que ninguém se atreva sequer a pensar por conta própria.

Seu livro mais célebre é o aplaudido "Admirável Mundo Novo", a descrição de uma sociedade desumanizada, controlada por um governo mundial único e segmentada conforme um rígido sistema de castas, cujos membros são reduzidos a meros executores de funções decididas pelo Estado. Não há mais religião nem filosofia nesse "admirável mundo novo". Há somente o pensamento único imposto pelo Estado totalitário. Não há mais família, nem casamento, nem paternidade e maternidade. Todos são gerados mediante produção em série, em laboratórios de fertilização artificial; a palavra "mãe", aliás, desperta repulsa nas pessoas desse mundo "perfeito", por evocar uma realidade primitiva e nojenta em que a nossa espécie se reproduzia como os animais irracionais. Não há mais amor. Mas há sexo livre: as relações sexuais são um exercício físico ou um passatempo como qualquer outro, desvinculadas de qualquer resquício de afeto ou significado. Não há tristeza, supostamente: todos têm acesso a uma pílula artificial que provoca a sensação de prazer e serenidade, mantendo a todos sempre mansos e sob perfeito controle contra questionamentos ou rebeldias. Vive-se para o agora, obedecendo a uma programação predeterminada, sem nenhuma transcendência, nenhum sonho, nenhum projeto pessoal de vida, nenhum protagonismo, nenhuma liberdade.

Menos conhecido que "Amirável Mundo Novo", mas também repleto de convites à reflexão sobre a nossa própria realidade, é o último livro escrito por Huxley: "A Ilha".

A ilha em questão se chama Pala e nunca foi colônia de país algum: por isso, não sofreu influência de nenhuma religião externa nem foi explorada como fonte de matérias-primas. Seus líderes governam a ilha pensando apenas no bem comum e no justo uso dos poucos recursos disponíveis no território. Os ilhéus vivem uma vida pacata e em harmonia com a natureza, sem vínculos com instituições nem códigos complexos de regras sociais. A população da ilha é incentivada a se libertar de todo condicionamento capaz de manipular os indivíduos.

Vítima de um naufrágio, chega a Pala o jornalista inglês Will Farnaby, que, na verdade, trabalha para um magnata do petróleo. A visão de mundo de Will Farnaby entra em choque com a filosofia dos habitantes da ilha, que procuram viver o presente com seus prazeres e limitações, sem se preocuparem com explicações metafísicas para o sentido da vida. O choque cultural entre os ilhéus e Will Farnaby é acompanhado por um ingrediente adicional na trama: Pala tem um príncipe educado no exterior, que se deixa seduzir pela ideia de “modernizar” a ilha com a exploração do petróleo.

É interessante observar, por trás da ideia da não-influência externa e, portanto, de uma suposta "liberdade genuína", a exclusão das visões religiosas de mundo e a ausência do legado cultural da humanidade como espécie. É como se todo o tesouro de conhecimentos, aprendizados, experiências e questionamentos da humanidade simplesmente não valesse nada para os ilhéus pelo simples fato de ser "coisa de fora"; como se não fôssemos todos uma única e mesma humanidade com uma longa estrada já trilhada em comum. Os habitantes de Pala, assim como a sociedade do "Admirável Mundo Novo", também vivem só para o hoje, ainda que por motivos e em contextos diferentes. Cabe questionar, porém, se os palaneses são mesmo "mais livres" que os desumanizados súditos do governo mundial único. Será que a liberdade consiste em não ter referências? Em não fazer parte de uma história humana? Em despreocupar-se do passado e do futuro como se eles não existissem ou em nada nos dissessem respeito?

A partir desta pergunta sobre o que diferencia uma sociedade supostamente livre, como a da ilha, de uma sociedade supostamente feliz, como a do admirável mundo novo, podemos nos perguntar em quais contextos, como sociedade, nós nos parecemos mais com A Ilha e em quais nos parecemos mais com o Admirável Mundo Novo. E mais importante ainda: podemos nos perguntar se queremos mesmo nos parecer com alguma dessas duas sociedades.

Tags:
IdeologialiberdadeLivrosPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia