Aleteia

Faz mesmo sentido acreditar que um universo minuciosamente determinado por números surgiu por mero acaso?

William Lane Craig
Compartilhar

O “Ajuste Preciso do Universo” e suas três possíveis explicações

A estrutura do universo é determinada por números muito precisos: a velocidade da luz, a constante gravitacional, a taxa de expansão do universo conduzida pela constante cosmológica, a distribuição de massa e energia, a constante de Planck, a razão entre as massas de elétrons e prótons, a constante de Hubble…

Trata-se das constantes e quantidades fundamentais do universo.

A ciência chegou à conclusão de que cada um desses números é cuidadosamente ajustado a uma estreitíssima franja de valores precisos, fora da qual não haveria possibilidades de que a vida existisse. Essa restrita franja de valores dentro da qual a vida é possível é tão minúscula que, se qualquer um desses números fosse minimamente alterado, nenhum tipo de vida física interativa poderia existir em lugar algum.  



"O fato notável é que os valores desses números parecem ter sido muito precisamente ajustados para tornar possível o desenvolvimento da vida" (
Stephen Hawking, físico teórico, Diretor de Pesquisa no Centro de Cosmologia Teórica da Universidade de Cambridge).

Para este ajuste tão preciso do universo, existem
três possíveis explicações:
– A necessidade física;

– O acaso;

– O desígnio inteligente.

Com este vídeo de 6 minutos da
Reasonable Faith, legendado em português por Jonathan Silveira, da
Tu Porém,
você pode tirar as suas próprias conclusões sobre qual possibilidade faz mais sentido:
– Atribuir a existência finamente ajustada do universo a uma eventual necessidade física

– Atribuir a existência finamente ajustada do universo a uma incrível combinação de acasos acionada por coisa alguma a partir do nada;

– Ou atribuir a existência finamente ajustada do universo à ação de uma Inteligência criadora.

Fique à vontade para usar a sua
razão!

Boletim
Receba Aleteia todo dia