Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 17 Janeiro |
São Antão
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Indonésia reboca barco com emigrantes para fora de suas águas

AFP - publicado em 12/05/15

Um barco que transportava centenas de emigrantes de Mianmar e Bangladesh foi rebocado para fora das águas territoriais da Indonésia por determinação das autoridades em Jacarta, um dia após a embarcação chegar à costa de Aceh, informou a Marinha nesta terça-feira.

"Foi rebocado para fora do território indonésio. Não os estamos forçando a ir à Malásia ou à Austrália, não é nosso problema. Nosso problema é que não entrem na Indonésia porque a Indonésia não é seu destino", disse à AFP o oficial da Marinha Manahan Simorangkir.

As autoridades informaram que o barco, que havia chegado à costa de Aceh nesta segunda-feira com cerca de 400 emigrantes a bordo, foi abastecido de combustível e levado para fora das águas territoriais da Indonésia, sem confirmar seu destino provável.

No final de semana, outro barco, com cerca de 600 emigrantes de Bangladesh e Myanmar, se aproximou do norte da província de Aceh.

Nesta terça-feira, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) pediu aos países do sudeste asiático que resgatem milhares de emigrantes que podem estar à deriva no mar.

"É necessário um esforço regional (…), não temos a capacidade para socorrê-los, mas os governos, sim, têm barcos e satélites", disse à AFP o porta-voz da OIM Joe Lowry, acrescentando que muitos emigrantes estão em péssimas condições, e que alguns podem já estar mortos.

Segundo a organização, atualmente podem haver cerca de 8 mil pessoas à deriva, muitos procedentes de Bangladesh e de Myanmar, com cada vez menos comida e água.

Numerosos emigrantes são muçulmanos rohingyas, um grupo considerado pela ONU como uma das minorias mais perseguidas do planeta.

Myanmar, um país de maioria budista, considera os cerca de 1,3 milhão de rohingyas em seu território como imigrantes ilegais de Bangladesh.

Segundo Vivian Tan, representante do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados em Bangcoc, os "traficantes mantém pessoas cativas no mar porque temem se aproximar da costa". "Parece que os contrabandistas abandonaram gente no mar, podem estar lá há semanas, até meses".

"Estão lá há muito tempo", com pouca água e comida, e "podem estar gravemente doentes".

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia