Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

De arrepiar: uma canção de dor e esperança sobre o Papa que veio de longe

Vaticano
Compartilhar

São João Paulo II: um homem que parte, vestido de branco

Quando foi eleito papa, o cardeal Karol Wojtyla se apresentou ao mundo como "um homem que veio de longe", daquela Polônia sofrida e aprisionada por trás da Cortina de Ferro, tão próxima geograficamente, mas tão afastada do mundo ocidental e tão periférica em relação ao tradicional centro dirigente do catolicismo.

Foi inspirado nesse "homem vindo de longe" que o célebre e popular cantor e compositor italiano Amedeo Minghi escreveu a letra desta canção que compartilhamos abaixo. No vídeo, você assiste a momentos marcantes e eternos do pontificado de São João Paulo II, o que "homem que se aproximava", enquanto acompanha, logo abaixo, a letra original em italiano e sua tradução ao português.

UN UOMO VENUTO DA MOLTO LONTANO
Um homem que veio de muito longe
(Amedeo Minghi)

Un uomo venuto da molto lontano
Um homem que veio de muito longe

Negli occhi il ricordo dei campi di grano
Nos olhos a lembrança dos campos de trigo

Il vento di Auschwitz portava nel cuore
Trazia no coração o vento de Auschwitz

E intanto scriveva pesie d’amore
No entanto, escrevia poesias de amor

Amore che nasce dentro il cuore dell’uomo
Amor que nasce dentro do coração do homem

Per ogni altro uomo.
Por cada um dos demais homens.

Un uomo venuto da molto lontano
Um homem que veio de muito longe

Stringeva il dolore e un libro nella mano
Apertava a dor e um livro na mão

Qualcuno ha sparato ed io quel giorno ho pianto
Alguém atirou e naquele dia eu chorei

Ma tutto il mondo gli è rimasto accanto
Mas todo o mundo ficou do seu lado

Quel giorno il mondo ha ritrovato il cuore
Naquele dia o mundo reencontrou o coração

La verità non muore.
A verdade não morre.

Un uomo che parte, vestito di bianco
Um homem que parte, vestido de branco

Per mille paesi e non sembra mai stanco
Por mil países e nunca parece cansado

Ma dentro i suoi occhi un dolore profondo
Mas dentro dos olhos uma dor profunda

Vedere il cammino diverso del mondo
Ver o caminho diferente do mundo

La guerra e la gente che cambia il suo cuore
A guerra e as pessoas que mudam o coração

La verità che muore.
A verdade que morre.

Va’, dolce grande uomo, va’.
Vai, doce grande homem, vai.

Va’, parla della libertà.
Vai, fala da liberdade.

Va’ dove guerra, fame e povertà hanno ucciso anche la dignità.
Vai onde guerra, fome e pobreza mataram até a dignidade.

Va’ e ricorda a questo cuore mio che Caino sono pure io.
Vai e lembra a este meu coração que eu também sou Caim.

Dall’Est è arrivato il primo squillo di tromba
Do Leste chegou o primeiro toque da trombeta

Il mondo si ferma; c’è qualcosa che cambia
O mundo para; há alguma coisa mudando

Un popolo grida: Noi vogliamo Dio, la libertà è solo un dono suo!
Um povo grita: Nós queremos Deus, a liberdade é só uma dádiva dele!

Tu apri le braccia e incoraggi i figli ad essere fratelli.
Tu abres os braços e encorajas os filhos a serem irmãos.

Va’, dolce grande uomo, va’.
Vai, doce grande homem, vai.

Va’, parla della libertà.
Vai, fala da liberdade.

Va’ dove l”uomo ha per sorella solo lebbra e mosche sulle labbra.
Vai onde o homem tem por irmã somente a lepra e moscas sobre os lábios.

Va’ e ricorda a questo cuore mio che Caino sono pure io.
Vai e lembra a este meu coração que eu também sou Caim.