Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Fim da relação: a culpa é do Facebook?

© DR

Psiconlinews - publicado em 27/05/15

Uma importante reflexão sobre o ciúme desencadeado pelos relacionamentos em redes sociais

Se você chegou a este tema, imagino que esteja buscando uma solução para um problema que perturba os casais desde a época do Orkut: o ciúme desencadeado pelos relacionamentos em redes sociais. O famoso Facebook é o pivô do momento. Vamos deixar o whatsapp para depois.

É comum ouvirmos frases do tipo: “O Facebook acabou com meu relacionamento”, ou “O que o amor constrói o Facebook destrói”.

Não se pode enumerar a quantidade de desentendimentos amorosos relacionados à rede social. Mas enciumados ou não, a maioria não abre mão de seu perfil. Pensando nisso, enumerei algumas estratégias básicas que podem evitar muita confusão

1) Crie acordos

Todas as relações humanas são regidas por acordos, mesmo que estes não sejam explícitos. Por exemplo: Quando um casal decide namorar, fica subtendido que não vão procurar outros parceiros.

Porém, quando se trata de redes sociais, a questão se complica um pouco. Enquanto para um é absolutamente normal aceitar pessoas desconhecidas, ex-namorados(as), e curtir qualquer tipo de fotos, para o outro isso pode ser considerado um grande desrespeito. Instalou-se a confusão!

A melhor maneira de lidar com essa situação ainda é um bom diálogo. É importante que você se interesse em saber os motivos que levaram o outro a pensar e agir de determinada maneira. Colocar-se no lugar do ser amado por alguns instantes pode fazer muita diferença.

2) Tente não generalizar

Se você sente ciúme de determinada pessoa da lista de amigos do seu (sua) parceiro (a), explique seus motivos para que o outro possa entender e saber como agir.

Ao invés de dizer: “Eu exijo que você exclua fulano (a) de tal do seu Facebook”, diga: “A presença dessa pessoa na sua lista de amigos me causa um grande desconforto. Podemos conversar sobre isso?”.

A partir de um diálogo calmo e respeitoso, vocês poderão chegar a um acordo. Talvez você perceba que a pessoa em questão não represente nenhuma ameaça real ao seu relacionamento, e a partir daí consiga viver em paz. Ou talvez seu (sua) parceiro (a) perceba que seus argumentos são válidos e têm fundamento e simplesmente desfaça a amizade com a tal pessoa. Independente do desfecho, vocês terão estabelecido um diálogo adulto, ou seja, o primeiro passo para uma relação saudável.

3) Espere a raiva passar

Quando sentimos ciúmes, tendemos a ficar enraivecidos contra o (a) parceiro (a), e é neste momento que um ciclo de desrespeito se instala. O ofendido e magoado quer também ofender e magoar, logicamente o outro reage às ofensas, então o problema toma proporções gigantescas.

Uma boa estratégia é não conversar enquanto estiver nervoso, espere um pouco, se possível até o outro dia, e acredite, na maioria das vezes você perceberá que a coisa não era tão grave assim.

Quando seu parceiro (a) se comportar de maneira que considera reprovável nas redes sociais, de maneira nenhuma tente provocá-lo fazendo o mesmo, ou criando situações para deixá-lo com ciúme, pois desse jeito você estará fechando portas para a solução do problema. O que você quer é viver em paz e ao lado do ser amado, correto? Portanto, não crie um ciclo de provocações.

4) Converse pessoalmente

Jamais tente discutir a relação através de mensagens. Alem dos mal-entendidos, a falta de um olhar compreensivo, de um toque que diz: estou aqui para você, e até de um abraço após um acordo, farão uma enorme diferença. Além disso, é bem provável que após a conversa virtual, ao se encontrarem pessoalmente, queiram esclarecer algo que não ficou claro durante as mensagens, o que pode resultar em mais desentendimentos.

5) Perceba quando o ciúme passa dos limites

O ciúme é algo inerente aos seres humanos, e estará sempre presente nas relações. Quando fundamentado por motivos lógicos é apenas mais um aspecto da fascinante relação do homem com seus pares. Se dosado de respeito e bom humor, pode até ser benéfico no fortalecimento das relações.

Mas quando causa sofrimento profundo e prejuízo de outros aspectos da vida diária, como por exemplo: trabalho e estudos, é hora de refletir e buscar ajuda.

Os relacionamentos mediados pela internet são uma realidade com a qual temos que lidar, direta ou indiretamente. A melhor maneira de tirar proveito desse tipo de relação é conhecer nossos medos e fraquezas para poder enfrentá-los, e respeitar não só os limites do outro, mas principalmente os nossos limites.

Tags:
tecnologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia