Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Imprensa denuncia agressões a mulheres rohingya na Tailândia e Malásia

<p>Acampamento de imigrantes rohingya em Kuala Cangkoi, Indonésia</p>

AFP - publicado em 03/06/15

Mulheres da comunidade muçulmana rohingya retidas por traficantes em campos clandestinos da Tailândia e Malásia foram vítimas de estupros coletivos, e pelo menos duas ficaram grávidas, denunciou a agência estatal de notícias malaia Bernama.

A agência ouviu o depoimento de Nur Khaidha Abdul Shukur, uma mulher que passou no ano passado por um destes campos, perto de Padang Besar, na Tailândia.

"A cada noite, os guardas levavam duas ou três jovens atraentes rohingya do campo para um lugar clandestino. Os guardas as estupravam em grupo e duas mulheres ficaram grávidas", disse.

De acordo com a agência estatal, o marido de Shukur, Nurul Amin Nobi Hussein, também foi testemunha de atos similares em outros campos da região, perto da fronteira com a Malásia.

No mês passado, as autoridades descobriram vários campos clandestinos criados por traficantes de seres humanos, com fossas comuns e dezenas de corpos, na Tailândia e na Malásia.

Grande parte da comunidade rohingya, de 1,3 milhão de pessoas, vive no estado de Rakhine, noroeste de Mianmar, na fronteira com Bangladesh. O grupo é considerado pela ONU uma das minorias mais perseguidas do mundo.

O presidente americano, Barack Obama, pediu a Mianmar que pare de discriminar os rohingyas.

"Uma das coisas mais importantes é que deixem de discriminar as pessoas em função de sua aparência ou crenças", afirmou o presidente americano, em sua primeira referência pública à fuga de migrantes na Ásia.

"E os rohingyas são fortemente discriminados", disse à imprensa, utilizando o termo "rohingya", que irrita as autoridades birmanesas, que não reconhecem este grupo étnico, que considera como imigrantes ilegais procedentes de Bangladesh.

Há várias semanas, milhares de pessoas desta comunidade tentam fugir da miséria e viajam em barcos improvisados para tentar chegar às costas da Malásia, Indonésia, Tailândia ou Bangladesh.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia