Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconAtualidade
line break icon

Crise da Grécia e Ucrânia dominam cúpula do G7 na Alemanha

AFP - publicado em 08/06/15

As negociações entre a Grécia e seus credores centrarão a partir deste domingo grande parte das discussões da cúpula do G7 na Alemanha, onde as principais potências econômicas também abordarão outro assunto da atualidade, o conflito na Ucrânia.

Ao ressaltar os inúmeros pontos em que Berlim e Washington concordam e celebrando a amizade entre as duas nações, Obama insistiu na necessidade de enfrentar a agressão russa no leste da Ucrânia.

Na ausência do presidente russo, Vladimir Putin, o presidente americano ressaltou a importância de manter as sanções contra Moscou, acusado de apoiar a rebelião no leste separatista da Ucrânia.

Obama se pronunciou no pequeno povoado de Krun, pouco antes do início da cúpula do G7 no castelo situado neste município. Foi calorosamente recebido por Merkel e por habitantes bávaros vestidos com o traje tradicional, que divertiram o presidente com cerveja e salsichas.

Em uma coletiva de imprensa separada, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, convocou o G7 a "confirmar sua unidade" sobre as sanções contra a Rússia. "Se alguém quer reconsiderar esta política, só poderá fazê-lo para reforçá-la", disse.

A chanceler alemã deveria receber depois do meio-dia os demais convidados – o presidente francês, François Hollande; o primeiro-ministro britânico, David Cameron; o presidente do Conselho italiano, Matteo Renzi; o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e seu colega canadense, Stephen Harper -, para a cúpula, que será realizada no castelo de Elmau.

Mais de 22.000 policiais foram mobilizados para a ocasião. Na manhã deste domingo ocorreram manifestações tranquilas de militantes pacifistas anticapitalistas nos povoados vizinhos.

– Expectativas pela Grécia –

Obama se referiu à necessidade dos sócios do G7 encontrarem os meios para "manter uma União Europeia forte e próspera", em alusão ao caso grego.

Igualmente presente, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, convocou Atenas a apresentar novas propostas de reforma o mais rápido possível.

"(O primeiro-ministro grego) Alexis Tsipras, meu amigo, havia prometido que até a noite de quinta-feira me apresentaria uma segunda proposta alternativa… Não recebi esta proposta alternativa", declarou Juncker.

O governo de esquerda radical da Grécia e seus credores – o Fundo Monetário Internacional, a União Europeia e o Banco Central Europeu – negociam há cinco meses para desbloquear os 7,2 bilhões de euros da última parcela do resgate que Atenas precisa desesperadamente.

A três semanas do fim do prazo para que a Grécia pague a dívida de 1,6 bilhão de euros, os credores propuseram um projeto de reformas ao país que o primeiro-ministro grego classificou de absurdas.

Tsipras, pressionado pelas exigências das instituições e pelas promessas antiausteridade que fez aos seus eleitores, se reuniu na noite de sábado com Hollande e Merkel.

O tema será tratado no âmbito da cúpula UE-Celac (Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe) em Bruxelas na próxima semana, indicou Juncker.

Tanto a França quanto a Alemanha se envolveram diretamente no assunto para evitar que a Grécia deixe de pagar suas dívidas, o que pode conduzir a uma saída da zona do euro.

Por sua vez, os Estados Unidos demonstraram sua preocupação pelo risco que a Grécia representa para uma economia mundial frágil e convocou os europeus e levar em consideração o risco de uma saída do país da zona do euro.

"O tempo voa e as consequências podem ser dramáticas", considerou o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, em uma entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag. A UE está preparada para ir mais longe para encontrar uma solução, declarou.

Outra figura chave no dossiê grego, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, se dirigirá ao castelo de Elmau na segunda-feira.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia