Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 23 Novembro |
Santo Anfilóquio
home iconAtualidade
line break icon

Rússia reforçará arsenal nuclear com 40 novos mísseis intercontinentais

AFP - publicado em 17/06/15

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou nesta terça-feira que reforçará seu arsenal nuclear com a mobilização de mais de 40 novos mísseis intercontinentais até o fim do ano, um gesto classificado de "ruído de sabres" pela ONU.

A declaração foi feita após a divulgação da notícia de que os Estados Unidos planejam reforçar sua mobilização militar no leste da Europa.

"Este ano, mais de 40 novos mísseis balísticos intercontinentais, capazes de resistir aos sistemas de defesa antiaérea mais sofisticados, serão mobilizados nas forças nucleares russas", afirmou Putin no salão militar "Exército-2015", nos arredores de Moscou.

Depois, afirmou ainda que a Rússia precisa se defender ante a aproximação da Otan das fronteiras russas.

"Se alguém ameaça algum de nossos territórios, (…) temos de orientar nossas forças armadas e nossas forças de ataque modernas nesses territórios para a ameaça que se aproxima. É a Otan que chega a nossas fronteiras e não nós que nos movemos para lado algum", declarou.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que as declarações de Putin fazem parte de um perigoso padrão de comportamento de Moscou.

"Este ruído de sabres nuclear da Rússia é injustificado, desestabilizador e perigoso", afirmou Stoltenberg, usando uma expressão usada para designar uma demonstração ostensiva de poder militar, após um encontro com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

A Rússia tem aproximadamente 7.500 ogivas nucleares, segundo o Stockholm International Peace Research Institute, das quais 1.780 estão mobilizadas em mísseis ou em bases militares.

Em comparação, os Estados Unidos têm 7.300 ogivas, 2.080 das quais estão mobilizadas.

A crise na Ucrânia elevou as tensões entre a Rússia e o Ocidente a um ponto desconhecido desde o fim da Guerra Fria.

A Polônia e outros países do leste europeu se mostraram alarmados com a anexação pela Rússia da península ucraniana da Crimeia em 2014.

Kiev e seus aliados acusam Moscou de enviar tropas e armamento para apoiar os separatistas do leste da Ucrânia, mas a Rússia sempre negou estas afirmações.

Informações de mobilização americana

Devido à crise ucraniana, a Otan decidiu colocar em andamento exercícios dirigidos pelos Estados Unidos nos Estados Bálticos e na Polônia, que começaram no início do mês.

O jornal New York Times informou no último fim de semana que o Pentágono estava pronto para mobilizar armamento pesado e mais de 5.000 soldados americanos em vários países do leste da Europa e nos países bálticos para conter a ameaça russa.

Se a proposta for aprovada, será a primeira vez desde a Guerra Fria em que Washington leva armamento pesado – incluindo tanques de batalha – a países membros da Otan que já estiveram sob influência soviética.

A Polônia informou no domingo que está em negociações com os Estados Unidos para determinar sua postura a respeito.

A secretária da força aérea americana, Deborah Lee James, afirmou que Washington pode mobilizar caças F-22 na Europa para manter Moscou à distância, noticiou o Wall Street Journal na segunda-feira.

O ministério das Relações Exteriores russo se pronunciou contra esta medida: "os Estados Unidos estão alimentando a tensão e os medos de seus aliados europeus antirrussos, também porque planeja utilizar as tensões atuais para expandir sua presença militar e fortalecer sua presença na Europa".

O vice-ministro da Defesa russo, Anatoly Antonov, acusou a Otan de "empurrar (Moscou) a uma corrida armamentística", segundo a agência estatal RIA Novosti.

Putin investiu imensas somas para renovar as forças armadas, que eram pobres e desfuncionais, até converter o exército e indústria militar russa em uma "locomotiva para a inovação". Este fato e seus movimentos na Ucrânia levaram muitas nações vizinhas a acreditarem que a Crimeia pode ser apenas a primeira meta conquistada pela política de expansionismo de Moscou.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
FATHER PIO
Maria Paola Daud
Quando Jesus conversou sobre o fim do mundo c...
ŚWIĘTA TERESA WIELKA
Philip Kosloski
Oração de Santa Teresa de Ávila para acalmar ...
IOTA
Lucía Chamat
Imagem da Virgem resiste a furacão que devast...
EL TOCUY
Aleteia Brasil
Pe. Gabriel Vila Verde: há muita diferença en...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Atenção: versão falsa e satânica da Medalha M...
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vez...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia