Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Preso autor de um dos piores massacres racistas dos EUA

AFP - publicado em 19/06/15

O suspeito de cometer um dos piores massacres da história recente dos Estados Unidos, que deixou nove mortos na quarta-feira em uma importante igreja de uma comunidade negra em Charleston, na Carolina do Sul (sudeste dos Estados Unidos), foi preso poucas horas após o ataque.

Dylann Roof, um jovem branco de 21 anos de feições ainda adolescentes, foi preso em Shelby, na Carolina do Norte, a cerca de quatro horas de distância do local do massacre, segundo anunciou o chefe da polícia de Charleston, Gregory Mullen.

O jovem, que se rendeu sem resistência durante uma blitz da polícia, havia passado uma hora com os fiéis de uma das igrejas mais emblemáticas do país, forte símbolo da história da comunidade negra no sul dos Estados Unidos, marcado pela escravidão, movimentos de luta pelos direitos civis e as atuais tensões raciais.

O jovem matou a tiros nove pessoas: três homens e seis mulheres. Segundo meios de comunicação, as vítimas tinham entre 26 e 87 anos e entre elas estava o pastor da igreja, Clementa Pinckney, de 41, uma importante figura da comunidade negra local e senador democrata.

O horror deste crime e o simbolismo do local onde foi cometido marcaram profundamente o tom do discurso desta quinta-feira do presidente Barack Obama, também do Partido Democrata.

Contendo com dificuldades sua raiva e expressando sua frustração, o presidente americano denunciou "assassinatos sem sentido".

"Devemos admitir o fato de que este tipo de violência não se observa em outros países desenvolvidos", afirmou Obama, novamente pedindo uma maior regulação das armas de fogo nos Estados Unidos.

"Mais uma vez, pessoas inocentes foram assassinadas, em parte, porque alguém que queria lhes fazer mal não teve problemas em ter uma arma em suas mãos", criticou o presidente.

A natureza racista do crime foi imediatamente evocada.

"O fato de que isso tenha ocorrido em uma igreja negra gera, evidentemente, questionamentos sobre uma página sombria da nossa história", acrescentou.

Em seu perfil no Facebook, Dylann Roof aparece com um casaco preto com a estampa da bandeira da África do Sul durante o apartheid, símbolo do segregacionismo, bem como a da antiga Rodésia (atual Zimbábue).

Esses dois regimes são muito admirados nos Estados Unidos pelos grupos que promovem a ideologia de supremacia branca.

O suposto assassino já tinha ao menos duas passagens pela polícia, inclusive por tráfico de drogas.

Referindo-se ao massacre de "crime racista", o chefe de polícia de Charleston, Gregory Mullen, conseguiu mobilizar agentes federais, incluindo o FBI.

A Justiça Federal abriu uma investigação "em paralelo e em cooperação" com as autoridades locais. A designação de crime racista permite a obtenção de recursos federais adicionais.

A líder local do movimento de direitos dos negros NAACP, Dot Scott, relatou à CNN que uma vítima teria sido poupada pelo assassino para testemunhar sobre o massacre. "Sua vida foi poupada porque o assassino disse: ‘eu não vou matar você (…) porque eu quero que você diga a eles o que aconteceu", contou Scott.

"É uma situação inaceitável para qualquer sociedade. (…) Esta tragédia que estamos enfrentando é indescritível. Ninguém na comunidade esquecerá esta noite", completou o chefe de polícia, com a voz embargada.

"O coração e a alma da Carolina do Sul se partiram", disse, entre soluços, a governadora do estado, Nikki Haley.

Jeb Bush, candidato às primárias republicanas para a Casa Branca, escreveu no Twitter que "nossos pensamentos e nossas orações estão com as pessoas e as famílias afetadas pelos trágicos acontecimentos de Charleston".

"Notícias terríveis de Charleston. Meus pensamentos e minhas orações estão com vocês", tuitou Hillary Clinton, pré-candidata democrata.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia