Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

13 anos, na rua, drogada, grávida. Assistência social do RJ admite: não sabe mais o que fazer

Domingos Peixoto / Agência O Globo

Aleteia Vaticano - publicado em 23/06/15

Mas o laicismo insiste em suas "soluções": não a família, e sim o aborto, o sexo livre, a legalização das drogas...

Copacabana, tarde de domingo, 21 de junho. O ambiente de alegria e praia que envolve cariocas e turistas é intensificado pelos preparativos do show de Ivete Sangalo e Criolo em homenagem a Tim Maia.   

Agentes da Secretaria de Desenvolvimento Social da cidade do Rio de Janeiro abordam uma menina. Ela está cheirando solvente de tintas. Sua barriga explicita a gravidez de sete meses. A menina tem 13 anos de idade.

A maioria dos agentes sociais já a conhece. Ela está nos registros municipais há 8 anos. Vive na rua desde os 5 e não se sabe onde estão são seus pais. Apesar do efeito entorpecente do tíner, ela responde a algumas perguntas dos agentes sobre sua gravidez. "Se for menina, vai se chamar Ana Júlia. E ser for homem… esqueci. Ah, João Gabriel".

Os agentes encaminham a menina a um abrigo para menores. De novo. Só do dia 3 ao dia 23 deste mês de junho, as equipes da prefeitura a levaram 8 vezes ao abrigo de Taiguara. Com ela, outros 19 menores foram apreendidos na mesma tarde de domingo na Cidade Maravilhosa e encaminhados para os abrigos municipais. Mesmo grávida de 7 meses, no entanto, nem foi preciso terminar o dia para que a menina de 13 anos pulasse o muro do abrigo e, na manhã de segunda-feira, fosse reencontrada perambulando pelas ruas. De novo. Abordada mais uma vez, ela recusou atendimento médico e justificou sua decisão: "Não estou nem aí".

Segundo os registros da assistência social do Rio de Janeiro, a mãe da menina grávida também viveu nas ruas e hoje ninguém sabe dela. Houve tentativas de incluí-la em projetos sociais e responsabilizá-la pelas filhas, sem sucesso. E não é para menos: com a desculpa do direito de ir e vir, o Estado brasileiro permite que crianças fiquem na rua ao deus-dará em vez de lhes oferecer abrigos com infraestrutura decente, tratamento adequado e perspectivas objetivas de educação, trabalho e inserção social.  

Adolescentes grávidas e sem abrigo não são uma raridade nas ruas do Rio de Janeiro e sua história segue sempre o mesmo roteiro de irresponsabilidade dos pais, violência doméstica, desestruturação familiar e envolvimento com drogas. O destino de seus filhos também costuma ser parecido: nos dois berçários municipais, cada um com 20 vagas, há 29 bebês, 12 dos quais são filhos de mães que vivem nas ruas. A maioria dessas mães usam drogas e acabam deixando de visitar suas crianças porque o vício é mais forte que o vínculo com os filhos.

No ano passado, das 79 crianças que passaram pelo berçário municipal Ana Carolina, 28 foram adotadas e 31 voltaram para a assim chamada "família extensa", que, além dos pais, engloba parentes como tios e avós.

Ao retratar esta tragédia corriqueira, o jornal O Globo conversou com diversos profissionais que trabalham na assistência social carioca. Eles disseram não saber o que pode ser feito para solucionar este drama banalizado.

Entre as "propostas de solução" que mais costumeiramente aparecem na mídia laica, tampouco há grandes novidades: aborto legalizado, contracepção, sexo livre e "responsável" (?), discursos que culpam ideias genéricas como "a sociedade", "o sistema", "a cultura tradicional"… Também se fala em legalização de drogas como meio para combater o caos social piorado pelas próprias drogas. Acima de tudo, porém, procuram-se eliminar "conceitos intolerantes e retrógrados" como o de "família natural", formada por um pai, uma mãe e seus filhos. A solução para a tragédia das famílias, portanto, seria destruir a família para evitar suas tragédias. Você está disposto a esperar para ver os resultados dessas "soluções"?

Tags:
AbortoFamíliaValores
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia