Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Loucura criminosa: a ideologia de gênero que castrou e torturou um menino de 2 anos até levá-lo ao suicídio

Creative Commons
Compartilhar

Esta pseudociência ameaça as nossas crianças hoje e precisa ser desmascarada com urgência

Um fato real, documentado e detalhadamente comprovado desmascara a loucura criminosa da chamada “teoria de gênero”: o drama brutal dos gêmeos canadenses Reimer, mártires dessa ideologia que não tem nenhum embasamento científico e cujos resultados práticos são escandalosamente antinaturais.

O principal divulgador dessa modalidade de tortura física e psicológica, irresponsavelmente fantasiada de “ciência”, foi o médico neozelandês John Money, que tentou obrigar um menino de 2 anos de idade a se transformar em menina a fim de “comprovar” que o gênero seria uma “construção social” independente dos fatos reais da biologia. Seu “tratamento” incluiu, entre uma série abominável de crimes de tortura, nada menos que a castração do pequeno Bruce Reimer, submetido a partir de então a uma insana tentativa de “torná-lo menina”.

O resultado foi uma tragédia familiar sem precedentes que culminou na morte de um irmão e no suicídio do outro.

O espantoso caso é apresentado neste documentário da BBC, “Dr. Money e o Menino sem Pênis“, que urge divulgar ao máximo. Por quê? Porque a loucura criminosa da ideologia de gênero, por mais incrível que pareça, continua se infiltrando nas sociedades ocidentais mediante a pressão de lobbies que querem inseri-la em políticas governamentais, incluindo os planos de educação a ser impostos às crianças em escolas públicas e privadas.

Esta pseudociência precisa ser desmascarada.