Aleteia logoAleteia logoAleteia
Terça-feira 30 Novembro |
Santo André 
Aleteia logo
Estilo de vida
separateurCreated with Sketch.

Pronto-socorro emocional em 7 passos

Raul Lieberwirth

Psiconlinews - publicado em 03/07/15

Se você já passou por uma rejeição ou sofreu por causa de um fracasso, sabe que as feridas emocionais podem ser tão paralisantes quanto uma dor física

Quando alguém se fere, deve imediatamente desinfetar, cobrir o ferimento e, às vezes, usar antibióticos para prevenir uma infecção. Tudo isso acontece automaticamente, sem questionamentos. Mas por que o mesmo não acontece a nossa saúde mental? Algumas pessoas acreditam que basta esperar para que as feridas psicológicas se curem sozinhas. Se você já passou por uma situação de rejeição, ou agonizou por causa de um fracasso, sabe que as feridas emocionais podem ser tão paralisantes quanto uma dor física.

A seguir listamos as sete formas de primeiros socorros emocionais elaboradas pelo psicólogo Guy Winch.

1- Preste atenção à dor emocional

Reconhecer quando ela acontece ajuda a aliviar a dor antes que os sentimentos ruins tomem conta de tudo.

A sensação de dor é a forma que o nosso corpo usa para nos avisar que algo está errado e precisamos enfrentar, isso também acontece quando a dor é emocional. Quando a pessoa não supera uma rejeição ou um fracasso, significa que ela sofreu um prejuízo psicológico que deve ser tratado.

A solidão, por exemplo, pode ser devastadora e prejudicial para a saúde psicológica e física, por isso, quando um amigo se sente socialmente ou emocionalmente isolado, é necessário ajudá-lo.

2- Redirecionar a reação visceral no momento da falha

A natureza das feridas psicológicas faz com que priorizemos certos aspectos. Uma falha pode nos levar a tentar consertar o que não pode ser consertado, em vez de nos concentramos no que realmente pode. Essa tendência faz com que a pessoa se concentre no erro e entre em um ciclo repetitivo.

Para acabar com este tipo de espiral emocional devemos aprender a ignorar as reações “viscerais” pós-falha (desamparo, desmoralização, etc) e fazer uma lista com alguns fatores que você pode controlar para “tentar novamente”. Por exemplo, pense na preparação, no planejamento e como se pode melhorar. Este tipo de exercício reduz sentimentos de desamparo e melhora a chance de sucesso no futuro.

3- Monitorar e proteger a autoestima quando a autopiedade for necessária

A autoestima é como um sistema imunológico emocional que amortece a dor emocional e fortalece a capacidade de recuperação. Por isso é importante cuidar da autoestima, principalmente quando a pessoa está sofrendo.

Uma maneira de “curar” a autoestima ferida é praticando a autopiedade. Quando surgirem sentimentos de autocrítica, faça o seguinte exercício: imagine que um amigo querido está chateado consigo mesmo por razões semelhantes às suas, escreva uma mensagem para ele expressando empatia e apoio. Depois leia a mensagem e use essas palavras pra você mesmo.

4- Interrompa os pensamentos negativos com distrações positivas

Quando os acontecimentos dolorosos se repetem e não se procura uma nova perspectiva ou solução, na verdade você está incubando o problema, especialmente quando se trata de uma dor psicológica mais profunda.

A melhor maneira de interromper a ruminação é se distraindo com atividades que exigem concentração (por exemplo, fazendo um Sudoku, completando um jogo de palavras cruzadas, tentar lembrar os nomes dos colegas da 5° série, etc). Estudos mostram que apenas dois minutos de distração já reduzem bastante a concentração em pensamentos negativos.

5- Encontrar um significado na perda

As perdas fazem parte da vida. Causam feridas emocionais e deixam cicatrizes que podem nos impedir de seguir em frente se não forem tratadas. Se você já passou tempo suficiente pra você superar uma perda, mas ainda está lutando para seguir em frente, então você precisa mudar a sua forma de lidar com o problema.

O passo mais importante para aliviar a dor e se recuperar de uma perda é encontrar um sentido nela. Pode ser difícil, mas você pode pensar sobre o que obteve depois da perda (por exemplo: “Eu perdi meu marido, mas agora estou muito mais próxima dos meus filhos“). Pense em como isso poderia ajudar outras pessoas a ter uma nova visão da vida. Imagine as mudanças que você pode fazer para ajudar as pessoas a viverem uma vida de acordo com seus próprios valores e propósitos.

  • 1
  • 2
Tags:
Sofrimento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia