Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Secretário de Defesa dos EUA em Bagdá para falar de luta contra EI

<p>Ashton Carter fala com os meios de comunicação a bordo do avião militar E4-B enquanto voa de Jidá a Amã, em 22 de juçho de 2015</p>

AFP - publicado em 23/07/15

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, chegou nesta quinta-feira a Bagdá para abordar a luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), contra o qual o exército iraquiano lançou uma contraofensiva na província de Al-Anbar.

Esta visita de um dia, a primeira ao Iraque de Carter desde que assumiu o cargo, em fevereiro, não havia sido anunciada por medidas de segurança e ocorre em meio a uma intensificação dos atentados sangrentos em Bagdá e em seus arredores.

O secretário de Defesa, que acaba de realizar um giro por Israel, Arábia Saudita e Jordânia, se reunirá com o primeiro-ministro iraquiano, Haider al Abadi, com seu colega Khaled al Obaidi e com o presidente do Parlamento, Salim al Jubouri.

Também se reunirá com uma delegação de tribos sunitas da província ocidental de Al-Anbar.

O Estado Islâmico controla grande parte da província de Al-Anbar, a maior do Iraque, majoritariamente sunita e situada no oeste do país, que tem fronteiras com Síria, Arábia Saudita e Jordânia.

No dia 13 de julho as Forças Armadas lançaram uma nova ofensiva para retomar Al-Anbar, concentrando-se em cercar as duas principais cidades, Ramadi e Fallujah.

A ofensiva recebe apoio aéreo da coalizão internacional dirigida pelos Estados Unidos.

O exército iraquiano busca isolar Ramadi, cortando as vias de acesso, disse o coronel Steve Warren, porta-voz do Pentágono que integra a delegação americana.

O ataque final de Ramadi, capital de Al-Anbar, é uma questão de semanas, deu a entender o coronel Warren.

Milhares de soldados iraquianos devem participar da ofensiva contra Ramadi, onde se encontram de 1.000 a 2.000 combatentes do Estado Islâmico, acrescentou o coronel.

Na operação de Fallujah participam principalmente milícias xiitas, a pedido do governo de Abadi, disse Warren.

As Unidades de Mobilização Popular, apoiadas e armadas pelo Irã, não haviam participado até agora dos combates de Al-Anbar, devido a tensões sectárias com os sunitas.

Um dos objetivos da visita de Carter é esclarecer o panorama de milícias e grupos armados presentes no Iraque, indicaram fontes próximas.

Washington quer que o governo iraquiano, de maioria xiita, integre os grupos sunitas nas ofensivas lançadas para reconquistar as regiões que caíram sob o controle do grupo extremista sunita.

Por enquanto as operações são realizadas pelo exército iraquiano, pelas milícias xiitas e pelas forças curdas.

"Ter uma participação sunita sob controle do exército iraquiano é essencial", disse recentemente Ashton Carter.

A visita de Carter coincide com um aumento do número de atentados na capital e em seus arredores.

Depois da ofensiva do grupo EI lançada no Iraque em junho de 2014, os Estados Unidos mobilizaram no país assessores militares e soldados para ajudar o exército iraquiano, mas não participam diretamente dos combates. Atualmente são quase 3.500.

Os Estados Unidos realizam, no entanto, uma campanha de bombardeios aéreos com uma coalizão internacional contra posições do EI no Iraque e na vizinha Síria.

Desde o início da campanha, em agosto de 2014, a coalizão realizou 3.300 bombardeios, segundo fontes americanas.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia