Aleteia

Anticoncepcional pode matar: testemunho de uma leitora

<a href="http://www.shutterstock.com/pic.mhtml?id=232823290&src=id" target="_blank" />Pretty young woman holding a morning after pill</a> © Antoniodiaz / Shutterstock
Compartilhar

“A Igreja Católica sempre teve e tem razão”, afirma Simone

A leitora Simone Vasconcelos compartilhou este texto conosco e decidimos publicá-lo. Para quem tiver interesse no tema, há uma interessante lista de links no final para pesquisa pessoal.

* * * 

Hoje, dia 09 de junho de 2015 aconteceu na Câmara dos deputados em Brasília – DF uma reunião de audiência pública com a participação de representantes dos principais setores responsáveis pela organização e promoção da saúde no Brasil, (Anvisa, Ministério da Saúde, Ministério de políticas para Mulheres e Conselho Federal de Medicina) e da Carla Simone, uma vítima do anticoncepcional e representante do Coletivo de Vítimas de Anticoncepcionais. Unidas a favor da Vida, um grupo formado na rede social facebook, com mais de 1500 vítimas de doenças graves causadas pelos anticoncepcionais, como trombose venosa cerebral (AVC), tromboembolismo pulmonar, infarto do miocárdio, trombose venosa profunda e tumores.

Na audiência foi discutido sobre as graves reações adversas que os anticoncepcionais estão causando em inúmeras mulheres brasileiras, da falta de informação prévia em relação aos riscos, o que descumpre as normas da OMS presentes no Caderno de atenção básica do Ministério da Saúde, e sobre o descaso das autoridades e órgão regulador ANVISA, pois não existe controle das reações adversas de métodos contraceptivos hormonais no país.

Não se sabe quantas mulheres já morreram no país ou quantas ficaram com graves sequelas devido ao uso de anticoncepcionais. Como afirmar que estes medicamentos são seguros? Como afirmar que estes eventos adversos são casos raros se ninguém no país está controlando? Quais medidas serão tomadas pelas autoridades para impedir que outras mulheres sejam vítimas? 

Infelizmente a maioria das usuárias e população em geral desconhecem os riscos dos anticoncepcionais, mas graças a Deus a verdade foi mostrada e ficará registrada na história do país para quem quiser estudar e refletir sobre o assunto.

A Igreja católica anuncia Jesus Cristo, portanto o amor, a verdade e a vida e por muitos anos informou sobre os riscos dos anticoncepcionais e de outros métodos contraceptivos artificiais, além de salientar para o grave mal que é a função abortiva (função que altera a parede do útero, chamada endométrio, para impedir a implantação do óvulo fecundado) que está presente nos anticoncepcionais combinados (comprimidos, adesivos, injetáveis e anéis) e nos dispositivos intra uterinos (DIU ou SIU), que eliminam vidas indefesas na menstruação, sem que a mulher note.

Eu não acreditava que um anticoncepcional pudesse ser abortivo e muitas pessoas não acreditam que esta função existe, pois médicos e cientistas afirmam o contrário, mas está na BULA (Leia: Como este medicamento funciona), as vezes ocultam esta função, citando apenas as principais funções ou mais importantes, justamente para que a menos importante, para a indústria farmacêutica, não seja conhecida e levada em consideração por você. Convido você a assistir o vídeo Abortos ocultos.

A Igreja foi e ainda é muito criticada por sempre dizer a verdade e mostrar o caminho mais seguro para os filhos de Deus e infelizmente é vista por muitos, como retrógrada, mas posso afirmar com toda a certeza à você, que a Igreja, sempre teve e tem razão.

Acreditando nas fictícias verdades criadas pelo homem neste mundo "evoluído e moderno" que tanto prega pela liberdade, milhões de mulheres são condicionadas ao uso de medicamentos e outras formas artificiais de contracepção, cujo benefícios diversos e atrativos são vendidos para que você queira usá-los, mas muitos males são propositalmente ocultados neste marketing que faz de tudo para vender esta ideia à você.

Boletim
Receba Aleteia todo dia